Posts com a Tag ‘telemensagens no Rio de Janeiro’

Falta de Água em São Paulo

domingo, 21 de junho de 2015

A falta de água é um problema mundial.

Aqui em São Paulo, o melhor no Brasil todo o uso indevido dos recurso hídricos e a falta de administração pública estadual e do consumidor, colocou as cidades nesta situação crítica.

A população está economizando de forma exemplar.

Agora quem vai pagar a redução do faturamento da SABESP.

Já era e ainda é esperado que a SABESP venha desavergonhadamente subir suas tarifas de forma a compensar a queda da arrecadação.

Vamos então consumir menos e pagar mais.

Vergonha que sinto destes país administrado por incompetentes e sendo lesado em todas os sentidos.

Deus meu, como e quando isto vai mudar.

Você tem esperança?

Telefonia VoIP

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Telefonia VoIP, é um sistema que utiliza da banda larga onde pode-se enviar dados de voz pela internet.

Voz sobre IP, também chamado VoIP, telefonia IP, telefonia Internet, telefonia em banda larga e voz sobre banda larga.

E um sistema, a princípio com custo mais baixo que as telefonias fixas. Nem sempre, é preciso pesquisar muito antes de qualquer contratação, pois tem operadoras que são minutadas por minuto inteiro (60 segundos), quero dizer que não importa se você usou 5,10, 20 ou 60 segundos, você vai pagar o minuto inteiro, e se der 61 segundos, vai pagar 2 minutos.

Entretanto tem operadoras que cobram assim como a telefonia fixa, frações de 6 segundos após 30 segundos, significa que vai pagar no mínimo 30 segundos e após este tempo passa a pagar a cada 6 segundos. (opção mais interessante, pois você paga somente o que usar.

A qualidade da ligação vai depender de vários fatores. O principal é a velocidade e estabilidade de sua conexão de banda larga, também as configurações do ATA, o dispositivo que trata do sinal de voz na banda larga.

Via de regra as operadoras oferecem um determinado crédito para você experimentar.

Se você faz uso em qualquer dia da semana, observe se este prestador de serviço oferece suporte técnico 24 horas por dia, inclusive em sábados, domingos e feriados, pois muitas delas tem estrutura insuficiente e você poderá precisar de um atendimento técnico em algum destes dias, e seguramente vai ficar a mão.

A maioria também oferece extrato online simultâneo, isto é, você  sabe o quanto está pagando pela ligação e o tempo que ficou em conversação. Isto é importante para você avaliar seus custos e créditos que precisa efetuar para continuar usando este serviço.

Na grande maioria das operadoras VoIP, não tem taxa de adesão ou obrigatoriedade, digo fidelidade. Você faz um determinado crédito utiliza e o renova quando quiser.

Bastante interessante para quem efetua muitas ligações interurbanas, onde o custo é quase sempre o mesmo valor de uma ligação local. (verificar se há restrições com as operadoras, pois não é regra geral).

Não há garantias de extrema qualidade, pois depende muito da qualidade e velocidade de sua banda larga, que por sinal é cara e de baixa qualidade no Brasil.

Eu particularmente considero muito mais eficiente e melhor que os fones que utilizam de antenas tipo telefonia celular, que se propõe a oferecer tipo fixo, mas por antenas repetidoras. Comportam-se da mesma forma que uma ligação de celulares na grande parte das operadoras.

Senha em Bancos

quarta-feira, 27 de março de 2013
Há cerca de um mês eu entrei no Banco Itaú para fazer um pagamento e, quando vi o tamanho da fila, pensei: 'Vou ficar horas aqui dentro'.   Foi quando me lembrei da lei que entrou em vigor na capital paulista (e no Brasil), que regula o tempo máximo de espera em fila bancária. Salvo engano, são 20 (vinte) minutos em dias normais, e 30 (trinta) em dias de pagamento de pensionistas do INSS.   Assim sendo, solicitei a um funcionário a senha com o horário de entrada na fila, pois se o tempo excedesse, eu encaminharia o papelucho para a prefeitura multar o banco.   Entrei na fila, e notei que de repente aquele som que sinaliza caixa desocupado, começou a tocar com maior freqüência, e a fila foi diminuindo rapidamente.   Quando cheguei ao caixa, ele solicitou a senha para autenticar, e eu fiquei intrigado. No meio de tantos clientes, como ele sabia que a senha estava comigo?   Examinei então os dois horários, entrada e saída e constatei que foram 17 minutos de fila. Eu esperava ficar mais de uma hora.   Percebi que quando eu pedi a senha, o gerente colocou mais caixas e o atendimento fluiu rapidamente.   Hoje, fui novamente ao mesmo banco e dei de cara com a mesma fila imensa. Não tive dúvida. Procurei um funcionário e pedi a senha. Ele, fazendo cara de bobo, perguntou: - Que senha? Não tem senha. Entre na fila.   Eu insisti.   Ele disse que não sabia de senha alguma...   Procurei os caixas e notei uma plaquetinha discreta que dizia: 'Se necessitar senha, solicite ao caixa'.   Pedi a senha ao caixa, e ele fez outra cara de bobo e disse: - Que senha? Parece que os funcionários já estão treinados a não fornecer a senha. Então eu exigi: - A senha que diz o horário que eu entrei na fila. É lei... O caixa meio contra vontade forneceu a senha e eu entrei na fila.   No início continuou lenta, quase não andava. De repente, o mesmo fenômeno, começou o som que não parava mais, e a fila foi rapidamente diminuindo.   Quando cheguei ao caixa, desta vez não foi surpresa, ele pediu a senha pra autenticar, e após a autenticação, ele se virou para uma senhora que circulava por trás dos caixas, com cara de gerentona, e em resposta à pergunta dela de...'E aí? Tudo bem?' O caixa respondeu:  - BELEZA.   Fui atendido em 14 (quatorze) minutos.   E a gerentona então deu um sinal que eu entendi que seria para alguns dos caixas voltarem para os locais de onde foram retirados para atender ao público.   MORAL DA HISTÓRIA - Existe sim um número de funcionários nos bancos, suficiente para atender dignamente o público, porém eles são desviados para outras funções mais lucrativas, tais como vender seguro por telefone, enquanto os idiotas dos clientes ficam na fila.   Eu não fico mais.   Cada vez que entrar em um banco, exija sua senha com o horário. Vamos lutar por esse direito obtido.   Não sejamos bobos...  É só a gente divulgar e insistir para a lei ser cumprida.   AFINAL ELES NÃO NOS POUPAM, cobram Encargos, Tarifas, Cestas, Taxas, todas abusivas tornando os Banqueiros os homens mais ricos do Planeta.   Se gostou, NÃO se esqueça de repassar a seus contatos!!!!  Poste o seu protesto no site >> http://www.protesteaquioficial.com.br/faca-seu-protesto/. Nós vamos avaliá-lo e publicá-lo na página principal do site, dessa forma todos poderão vê-lo. @[122202427856312:274:Proteste Aqui] @[122421767841547:274:Assuntos mais comentados no FACE] @[134878719929259:274:LEMBRAREMOS DE VOCÊ NA ELEIÇÃO] @[127403670678007:274:Dia Sem Imposto] @[365451900170701:274:Campinas Informa] @[538354226188348:274:Eu Curto Campinas]
Há cerca de um mês eu entrei no Banco Itaú para fazer um pagamento e, quando vi o tamanho da fila, pensei: ‘Vou ficar horas aqui dentro’.

Foi quando me lembrei da lei que entrou em vigor na capital paulista (e no Brasil), que regula o tempo máximo de espera em fila bancária. Salvo engano, são 20 (vinte) minutos em dias normais, e 30 (trinta) em dias de pagamento de pensionistas do INSS.

Assim sendo, solicitei a um funcionário a senha com o horário de entrada na fila, pois se o tempo excedesse, eu encaminharia o papelucho para a prefeitura multar o banco.

Entrei na fila, e notei que de repente aquele som que sinaliza caixa desocupado, começou a tocar com maior freqüência, e a fila foi diminuindo rapidamente.

Quando cheguei ao caixa, ele solicitou a senha para autenticar, e eu fiquei intrigado. No meio de tantos clientes, como ele sabia que a senha estava comigo?

Examinei então os dois horários, entrada e saída e constatei que foram 17 minutos de fila. Eu esperava ficar mais de uma hora.

Percebi que quando eu pedi a senha, o gerente colocou mais caixas e o atendimento fluiu rapidamente.

Hoje, fui novamente ao mesmo banco e dei de cara com a mesma fila imensa. Não tive dúvida. Procurei um funcionário e pedi a senha. Ele, fazendo cara de bobo, perguntou:
- Que senha? Não tem senha. Entre na fila.

Eu insisti.

Ele disse que não sabia de senha alguma…

Procurei os caixas e notei uma plaquetinha discreta que dizia: ‘Se necessitar senha, solicite ao caixa’.

Pedi a senha ao caixa, e ele fez outra cara de bobo e disse:
- Que senha?
Parece que os funcionários já estão treinados a não fornecer a senha.
Então eu exigi:
- A senha que diz o horário que eu entrei na fila. É lei…
O caixa meio contra vontade forneceu a senha e eu entrei na fila.

No início continuou lenta, quase não andava.
De repente, o mesmo fenômeno, começou o som que não parava mais, e a fila foi rapidamente diminuindo.

Quando cheguei ao caixa, desta vez não foi surpresa, ele pediu a senha pra autenticar, e após a autenticação, ele se virou para uma senhora que circulava por trás dos caixas, com cara de gerentona, e em resposta à pergunta dela de…’E aí? Tudo bem?’
O caixa respondeu:
- BELEZA.

Fui atendido em 14 (quatorze) minutos.

E a gerentona então deu um sinal que eu entendi que seria para alguns dos caixas voltarem para os locais de onde foram retirados para atender ao público.

MORAL DA HISTÓRIA – Existe sim um número de funcionários nos bancos, suficiente para atender dignamente o público, porém eles são desviados para outras funções mais lucrativas, tais como vender seguro por telefone, enquanto os idiotas dos clientes ficam na fila.

Eu não fico mais.

Cada vez que entrar em um banco, exija sua senha com o horário. Vamos lutar por esse direito obtido.

Não sejamos bobos…

É só a gente divulgar e insistir para a lei ser cumprida.

AFINAL ELES NÃO NOS POUPAM, cobram Encargos, Tarifas, Cestas, Taxas, todas abusivas tornando os Banqueiros os homens mais ricos do Planeta.

Se gostou, NÃO se esqueça de repassar a seus contatos!!!!

Poste o seu protesto no site >> http://www.protesteaquioficial.com.br/faca-seu-protesto/.
Nós vamos avaliá-lo e publicá-lo na página principal do site, dessa forma todos poderão vê-lo.

Duas Estagiárias demitidas do Senado

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

A casa tem mais problemas que se possa imaginar!

Duas estagiárias são demitidas depois de publicarem foto de roedor morto na gráfica da Casa e de fazerem comentários sobre Renan Calheiros em rede social na internet
Helena Mader 
O Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), assumiu o cargo há duas semanas e, desde então, é um dos alvos preferidos dos internautas brasileiros. Nas redes sociais, os insatisfeitos com a eleição do cacique do PMDB divulgam uma petição contra o senador, que, na manhã de ontem, já somava 1,5 milhão de assinaturas. Apesar de não comentar a mobilização popular, a direção do Senado está incomodada com a avalanche de críticas a Renan. Tanto que duas estagiárias da Casa foram demitidas, na semana passada, depois de postarem mensagens com comentários sobre o senador alagoano. As jovens estudantes, uma delas sobrinha do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, receberam a punição depois de publicarem no Facebook que Renan Calheiros seria um “problema” para o Senado. A demissão das estagiárias repercutiu entre funcionários da Casa: servidores que haviam compartilhado críticas, abaixo-assinados ou qualquer outro comentário sobre a eleição do presidente do Senado se apressaram em apagar qualquer vestígio das publicações. 
O episódio que levou à demissão das duas jovens aconteceu no dia 6. As estudantes estagiavam no Serviço de Administração da Secretaria de Recursos Humanos do Senado. Na manhã daquela quarta-feira pré-carnaval, as estagiárias e os colegas foram surpreendidos com a presença de um rato no meio do setor, que fica no prédio da Gráfica do Senado. Uma copeira matou o roedor com a ajuda de um calendário de papelão. O cadáver do bicho ficou por alguns minutos no chão e as duas jovens decidiram fotografá-lo. Uma delas postou a imagem no Facebook com uma legenda que dizia: “E a gente que achou que o único problema aqui fosse o Renan Calheiros”. A colega, que é filha da irmã de Joaquim Barbosa, publicou a foto com comentário semelhante. 
As duas estudantes demitidas estão assustadas com a polêmica e com receio de aparecer. A sobrinha de Barbosa, que estuda direito e era estagiária do Senado havia quase dois anos, não quis comentar a decisão. Ela cancelou sua conta no Facebook logo depois de ser demitida. Mas a colega contou ao Estado de Minas os detalhes do episódio, com a condição de ficar no anonimato. Depois de deixar o Senado naquela manhã, Karen (nome fictício) recebeu um telefonema do chefe, que pedia explicações sobre a foto publicada na rede social. O responsável pelo serviço de administração de RH marcou uma reunião com as duas estagiárias para a manhã seguinte. “Quando a gente chegou, o chefe colocou a foto que havíamos postado na internet sobre a mesa e, em cima, pôs a carta de demissão para assinarmos. Levei um susto, não imaginei que fossem tomar uma medida tão radical. Não fizemos nenhuma associação do senador Renan Calheiros ao rato. Acho que foi um mal-entendido”, comenta Karen. “Vários servidores do Senado compartilharam o abaixo-assinado contra Renan nas redes sociais, eu mesma havia feito isso semanas antes”, acrescenta a estudante de administração. 
Segundo Karen, ela também teve reuniões na Diretoria de Recursos Humanos. “Eles explicaram que a nossa demissão era uma determinação da Diretoria Geral. Alguém imprimiu a foto que postamos na internet e saiu mandando para a chefia. Disseram que o Renan era quem pagava nosso salário e que a gente não podia falar mal dele. Mas eu respondi que quem pagava nosso salário era o povo, e não o senador”, lembra a estagiária demitida. Elas recebiam R$ 820 mensais, além de R$ 130 de ajuda para transporte. Cerca de 2 mil estudantes fazem estágio no Senado. As duas jovens faziam despachos de pedidos de aposentadoria e de solicitações de adicionais de especialização. Karen entrou no Senado em setembro. Já a estudante de direito foi contratada em maio de 2011. Antes de chegar ao setor de Recursos Humanos, ela havia realizado estágio no Arquivo do Senado. 

“Indisciplina”
A Secretaria de Comunicação Social do Senado divulgou nota em que classificou a atitude das estagiárias demitidas como um “ato de indisciplina”. “Nesse contexto, a administração tem o dever de agir de acordo com o termo de compromisso assinado pelas estagiárias. Nos termos da lei, o estágio não cria vínculo empregatício e o desligamento não se condiciona à abertura de processo disciplinar”, explicou o Senado. “Além do conteúdo ofensivo da matéria, vale registrar que as estudantes postaram-na durante o horário de expediente, utilizando ferramentas de trabalho”, diz outro trecho da nota oficial. 
A assessoria de imprensa do presidente do Senado, Renan Calheiros, informou que ele não tinha conhecimento das demissões e que o caso só poderia ser tratado na Diretoria Geral. A assessoria do presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, informou que ele não comentaria o episódio, mas confirmou o parentesco com a estagiária demitida. Nos próximos meses, o Supremo deve analisar a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, contra Renan. O senador é acusado dos crimes de peculato, falsidade ideológica e uso de documentos falsos. Segundo o MPF, Renan apresentou ao Senado notas frias para explicar a origem de recursos usados para custear despesas pessoais. 
(Colaborou Kelly Almeida) 

Senadores Relacionados

  • Renan Calheiros

Órgãos Relacionados

  • Gráfica do Senado Federal
  • Senado Federa

fonte: http://www.senado.gov.br/noticias/opiniaopublica/inc/senamidia/notSenamidia.asp?ud=20130215&datNoticia=20130215&codNoticia=800834&nomeOrgao=&nomeJornal=Estado+de+Minas&codOrgao=1096&tipPagina=1

Piso Tátil, para deficiente visual termina em muro.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Só mesmo vendo para acreditar.

Quando se pensa que algo é impossível, a Prefeitura prova que  “Tudo é Possível”, quando se trata de engenharia e cuidados com o cidadão paulistano.

Um trecho do piso tátil para cegos feito recentemente na avenida Faria Lima, na zona oeste de São Paulo, leva de maneira inesperada o pedestre para um muro, em vez de conduzi-lo para a rampa de acesso ao semáforo. As calçadas recém-reformadas da avenida passaram a contar no mês passado com os pisos vermelhos feitos com riscos em relevo que auxiliam na locomoção dos cegos, conhecido como piso tátil direcional.

Curiosamente veja a seguir a justificativa da subprefeitura de Pinheiros.

A subprefeitura de Pinheiros, responsável pela obra, disse que a solução adotada para o piso tátil instalado no trecho ‘está em conformidade com as referências dispostas na ABNT NBR9050:2004’.

A população deveria ser ressarcida destas obras sem engenharia.

Incrível, ainda afirmarem que está dentro das normas.

A prefeitura de São Paulo só piora a cada dia que passa.