Posts com a Tag ‘PSDB’

Impeachment de Dilma

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Ativista reconhecido de vida pública ex presidente do PT de SP, desligado desde o processo do Mensalão juntamente com a Dra Janaina Conceição Paschoal, advogada de eminente competência e Reale Junior, jornalista de carreira ao encaminharem o pedido de processo de impeachment de Dilma, não foram muito levados a sério, até que a irritação do Eduardo Cunha levou a aprovação de encaminhamento do processo que o Brasil tanto aguardava.

Dilma Rousself, deveria renunciar em respeito ao povo brasileiro tão sofrido e desrespeitado.

Taxa SELIC

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Taxa selic é o índice de juros que o banco central determina para conter o aumento das compras financiadas, que gera queda nas compras quando elevada como neste ano de 2015.

é a referência para o governo refinanciar as dívidas públicas.

Esta patica é usada no mundo inteiro.

Nos países de governo bom e desenvolvido as taxas são mínimas.

Em países atrasados e governos perdidos economicamente como o Brasil, estas taxa se elevam.

Só mesmo os contribuintes tem como resolver isso.

TROCAR OS GOVERNANTES e dar um basta na festa da incompetência do governo atual.

IstoÉ: Propinoduto desviou milhões do transporte nos governos do PSDB

sábado, 20 de julho de 2013

Jornal do Brasil

A revista ISTOÉ revela na edição desta semana um grandioso esquema de desvio de dinheiro das obras do Metrô e dos trens metropolitanos, montado durante os governos do PSDB em São Paulo. Lobistas e autoridades ligadas aos tucanos operavam por meio de empresas de fachada, segundo a publicação.

“Ao assinar um acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a multinacional alemã Siemens lançou luz sobre um milionário propinoduto mantido há quase 20 anos por sucessivos governos do PSDB em São Paulo para desviar dinheiro das obras do Metrô e dos trens metropolitanos. Em troca de imunidade civil e criminal para si e seus executivos, a empresa revelou como ela e outras companhias se articularam na formação de cartéis para avançar sobre licitações públicas na área de transporte sobre trilhos. Para vencerem concorrências, com preços superfaturados, para manutenção, aquisição de trens, construção de linhas férreas e metrôs durante os governos tucanos em São Paulo – confessaram os executivos da multinacional alemã –, os empresários manipularam licitações e corromperam políticos e autoridades ligadas ao PSDB e servidores públicos de alto escalão”, diz a ISTOÉ.

O problema é que a prática criminosa, que trafegou sem restrições pelas administrações de Mario Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, já era alvo de investigações, no Brasil e no Exterior, desde 2008 e nenhuma providência foi tomada por nenhum governo tucano para que ela parasse. Pelo contrário. Desde que foram feitas as primeiras investigações, tanto na Europa quanto no Brasil, as empresas envolvidas continuaram a vencer licitações e a assinar contratos com o governo do PSDB em São Paulo.

Ainda de acordo com a revista, o Ministério Público da Suíça identificou pagamentos a personagens relacionados ao PSDB realizados pela francesa Alstom – que compete com a Siemens na área de maquinários de transporte e energia – em contrapartida a contratos obtidos. Somente o MP de São Paulo abriu 15 inquéritos sobre o tema.

A ISTOÉ diz também que esta rede criminosa tem conexões em paraísos fiscais e teria drenado, pelo menos, US$ 50 milhões do erário paulista para abastecer o propinoduto tucano, segundo as investigações concluídas na Europa.

SUSPEITOS

As provas oferecidas pela Siemens e por seus executivos ao Cade são contundentes. Entre elas, consta um depoimento bombástico prestado no Brasil em junho de 2008 por um funcionário da Siemens da Alemanha. ISTOÉ teve acesso às sete páginas da denúncia. Nelas, o ex-funcionário, que prestou depoimento voluntário ao Ministério Público, revela como funciona o esquema de desvio de dinheiro dos cofres públicos e fornece os nomes de autoridades e empresários que participavam da tramoia. Segundo o ex-funcionário cujo nome é mantido em sigilo, após ganhar uma licitação, a Siemens subcontratava uma empresa para simular os serviços e, por meio dela, realizar o pagamento de propina. Foi o que aconteceu em junho de 2002, durante o governo de Geraldo Alckmin, quando a empresa alemã venceu o certame para manutenção preventiva de trens da série 3000 da CPTM (Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos). À época, a Siemens subcontratou a MGE Transportes.

De acordo com uma planilha de pagamentos da Siemens obtida por ISTOÉ, a empresa alemã pagou à MGE R$ 2,8 milhões até junho de 2006. Desse total, pelo menos R$ 2,1 milhões foram sacados na boca do caixa por representantes da MGE para serem distribuídos a políticos e diretores da CPTM, segundo a denúncia. Para não deixar rastro da transação, os saques na boca do caixa eram sempre inferiores a R$ 10 mil. Com isso, o Banco Central não era notificado.

A MGE é frequentemente utilizada pela Siemens para pagamento de propina. Nesse caso, como de costume, a MGE ficou encarregada de pagar a propina de 5% à diretoria da CPTM”, denunciou o depoente ao Ministério Público paulista e ao ombudsman da empresa na Alemanha. Ainda de acordo com o depoimento, estariam envolvidos no esquema o diretor da MGE, Ronaldo Moriyama, segundo o delator “conhecido no mercado ferroviário por sua agressividade quando se fala em subornar o pessoal do Metrô de SP e da CPTM”, Carlos Freyze David e Décio Tambelli, respectivamente ex-presidente e ex-diretor do Metrô de São Paulo, Luiz Lavorente, ex-diretor de Operações da CPTM, e Nelson Scaglioni, ex-gerente de manutenção do metrô paulista.

Scaglioni, diz o depoente, “está na folha de pagamento da MGE há dez anos”. “Ele controla diversas licitações como os lucrativos contratos de reforma dos motores de tração do Metrô, onde a MGE deita e rola”. O encarregado de receber o dinheiro da propina em mãos e repassar às autoridades era Lavorente. “O mesmo dizia que (os valores) eram repassados integralmente a políticos do PSDB” de São Paulo e a partidos aliados. O modelo de operação feito pela Siemens por meio da MGE Transportes se repetiu com outra empresa, a japonesa Mitsui, segundo relato do funcionário da Siemens. Procurados por ISTOÉ, Moriyama, Freyze, Tambelli, Lavorente e Scaglioni não foram encontrados. A MGE, por sua vez, se nega a comentar as denúncias e disse que está colaborando com as investigações.

fonte: http://www.jb.com.br/pais/noticias/2013/07/20/istoe-propinoduto-desviou-milhoes-do-transporte-nos-governos-do-psdb

O que mais nos causa indignação, é que as denúncias são antigas, existem em todas as áreas e esferas governamentais, departamentos e diretorias das empresas estatais e paraestatais, e nada acontece, parece que é melhor se sejam abafados.

Acredito que nas próximas eleições o contribuinte compulsório saiba não em quem votar, mas sim em quem não votar!

Refundação do PSDB

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O seminário presidido pelo PSDB, realizado no Rio, é mais uma tentativa  que os tucanos imaginam que seja i início da Refundação do partido depois de amargar as derrotas nas urnas por falta de políticas claras e eficientes de governo, e pela falta de nomes e  projetos que convenção.

A estrela da “refundação” é o Ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso.

Muito importante para os Tucanos, será que é importante para os eleitores.

Mudam de cadeiras, mas não mudam os nomes.

Tentar, sempre é válido!