Posts com a Tag ‘minas gerais’

12 de Dezembro, Aniversário da Cidade de Belo Horizonte – MG

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

História

Em meio ao trânsito intenso de pessoas e veículos no centro da capital mineira, é possível ter a sensação de parar no tempo e voltar à década de 40….
Fundado nos 50, o bairro Caiçara é o resultado da união das antigas Vilas Adelaide, São Geraldo, Araci, Alto dos Caiçaras e Chácara do Tanque.
Em Belo Horizonte, é comum encontrar lugares onde o antigo e o atual se misturam. Em alguns bairros, a nostalgia se apresenta nas ruas e construções…
O bairro Funcionários foi criado para abrigar o funcionalismo público estadual da recém-inaugurada BH. Em seus casarões antigos, as janelas possuíam…
Um dos bairros mais antigos da capital, o Floresta ainda conserva a magia de um lugar calmo e bucólico
O Viaduto liga o bairro Floresta, tradicional na capital mineira, ao centro comercial de Belo Horizonte
O antigo prédio da Secretaria de Estado da Fazenda abriga informações essenciais para todos os interessados em ampliar os conhecimentos sobre a…
O acervo do arquivo reúne mapas, plantas, fotografias, gravuras, filmes, livros, folhetos e
periódicos.

Enchentes. Todo ano é a mesma coisa

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Rio, Minas Gerais, de novo o que já é velho.

Problema, e ocorrências cíclicas e com data marcada.

é sempre a mesma coisa.

A população até que foge dentro do possível para se proteger.

Agora o poder público, muito pouco faz.

Sempre reconstruindo, e raramente prevenindo.

As verbas até chegam aos municípios, mas não são devidamente aplicadas, e por muitas vezes desviadas.

Parece que, pelo que percebemos, os prejuízos materiais da população, ficam com a própria população. Não vi casos em que alguém tenha sido indenizado pelo estado.

12/01/2012

Inconfidência Mineira

domingo, 17 de abril de 2011

Em meados do século XVIII, a produção de ouro no Brasil, que era a principal fonte de receita da coroa portuguesa, começou a se tornar escassa. Esta situação abalou o pacto colonial. Sem a quantidade usual de ouro sendo remetida à corte, Portugal resolveu criar mais impostos e aumentar os já existentes.

Com isso, crescia o descontentamento da elite colonial e começavam a surgir anseios de autonomia. Pensadores como Rosseau, Voltaire e Montesquieu, inspiraram os ideais revolucionários. Mas o fator desencadeante desses movimentos foi a independência dos Estados Unidos, em 1776, livrando-se do jugo inglês. No Brasil, formou-se um grupo chamado de Inconfidentes. Liderado por Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, o movimento contava com a elite intelectual mineira.

A ideia do movimento era livrar-se do domínio português e promover o desenvolvimento do novo país, através da livre produção, da criação de universidades e da abolição da escravatura.

Porém, antes que o movimento conseguisse pôr em prática seus planos, o grupo foi delatado por um de seus membros. Todos os participantes foram presos. Tiradentes foi confinado por três anos em uma masmorra, até sair a sentença de seu julgamento. O líder do movimento inocentou todos os seus companheiros, que foram condenados à prisão ou ao degredo.

Tiradentes foi condenado à morte. No dia 21 de abril de 1792, foi enforcado, decapitado e teve seu corpo esquartejado. Sua cabeça e as partes de seu corpo foram espalhadas por Vila Rica, a sede da Inconfidência, sua casa foi destruída e seus descendentes considerados infames.

Embora tenha sido derrotado, Joaquim José da Silva Xavier converteu-se em um mártir, plantando a semente do processo de independência do Brasil. Mas sua luta só teve reconhecimento muitos anos depois de sua morte.

Somente em 1867, quase 50 anos após a independência do Brasil, é que se ergueu em Ouro Preto um monumento em sua memória, por iniciativa do presidente da província Joaquim Saldanha Marinho. Mais tarde, no período republicano, o dia 21 de abril se tornou feriado nacional, e pela lei 4.867, de 9 de dezembro de 1965, Tiradentes foi proclamado patrono cívico da nação brasileira.

Cristo Redentor – A História (Continuação)

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Projeto Cristo Redentor
Projeto Cristo Redentor

De Braços Abertos Para o Mundo

Cristo Redentor
Cristo Redentor

A estátua do Cristo Redentor começou a ser planejada em 1921, quando foi organizada a “Semana do Monumento” — uma campanha para recolher contribuições dos católicos. No entanto, as doações só começaram 10 anos depois quando o Arcebispo Dom Sebastião Leme passou a coordená-la. Os primeiros esboços do Cristo foram feitos pelo pintor Carlos Oswaldo, que o imaginou carregando uma cruz, com um globo terrestre nas mãos, sobre um pedestal que simbolizaria o mundo. Mas foi a população carioca que optou pela forma da imagem do Redentor de braços abertos, como ela é hoje conhecida no mundo inteiro.

O projeto foi desenvolvido pelo engenheiro Heitor da Silva Costa e levou quase cinco anos para ser concluído.

Foram estudados vários materiais para o revestimento da estátua, mas por fim foi escolhida a pedra-sabão, utilizada por Aleijadinho para esculpir os Profetas em Congonhas do Campo, Minas Gerais. Embora seja um material fraco, que pode ser riscado até com uma unha, é extremamente resistente ao tempo e não deforma nem racha com as variações de temperatura.

Construir o monumento não foi fácil. Como a execução da obra era impossível no Brasil, os desenhos foram levados para a França, aos cuidados do escultor polonês Paul Landowski. De volta ao país, as peças foram transportadas nos trens da Estrada de Ferro do Corcovado e montadas no alto do morro.

O Cristo Redentor, considerado uma homenagem à religiosidade carioca, tornou-se um símbolo da cidade e da simpatia do povo carioca, que recebe a todos de braços abertos.

Elevadores

Foram instalados três elevadores panorâmicos, cada um com capacidade para 14 pessoas, ou uma tonelada. O acesso será feito por uma área que atenderá tanto os visitantes que chegam de carro, quanto os que desembarcam na plataforma de trem da Estrada de Ferro do Corcovado. O passeio já começa aí, pois a torre, de 31 metros de altura, descortina a primeira vista da cidade.

A velocidade dos elevadores e sua capacidade foram calculadas para que a espera máxima, em momentos de pico, não ultrapasse seis minutos. Além disso, na hora de eleger o equipamento mais adequado, a preocupação com o meio ambiente e a economia de energia foram fundamentais. Por isso, a escolha recaiu sobre o lançamento mundial da Elevadores Otis, que não tem casa de máquinas. Importados da França, eles substituem os tradicionais cabos de aço por cintas revestidas de poliuretano, que não usam óleos lubrificantes.

Para garantir a segurança dos visitantes, os elevadores são monitorados pelo software REM (Sistema de Monitoramento Remoto), que aponta possíveis problemas na operação e possui um sistema de viva voz com conexão direta com uma Central de Atendimento ao Cliente. Tudo isso, com um mínimo de ruído — no máximo 62 decibéis, nível equivalente ao de uma conversa comum.

Escadas rolantes

Para completar o acesso à estátua, estão funcionando quatro escadas rolantes — duas em cada direção. Fabricadas na Alemanha, também pela Elevadores Otis, elas têm seis metros de comprimento e 30.º de inclinação, com uma velocidade de 0,5 m/s. Com uma proteção lateral para evitar acidentes, as escadas têm dispositivos especiais, como alumínio anti-derrapante nos degraus, que garantem o seu perfeito funcionamento e total segurança. Mesmo com tudo isso, o ruído máximo produzido é ainda menor que o dos elevadores: 58 decibéis.

Um detalhe importante é que as escadas funcionam na mão inglesa. Isso para que o visitante suba até o topo do Corcovado com a deslumbrante vista da Baía de Guanabara, à esquerda, e desça mais próximo à parede de pedra, o que evita o desconforto visual e psicológico.

Uma obra “invisível”

Para não descaracterizar o Cristo Redentor, uma imagem que o carioca se acostumou a olhar de várias partes do Rio de Janeiro, foram feitos testes para determinar qual seria o impacto visual. Elevadores e escadas rolantes foram projetados para acompanhar a topografia da montanha e, assim, ficarem camuflados atrás das árvores, na parede norte. Para camuflá-los, todos os equipamentos vieram pintados de verde da fábrica e têm vidros especiais para evitar reflexos dos raios solares.

As medidas da estátua do Cristo Redentor

Localização - Cume do Morro do Corcovado, 710m acima do nível do mar
Visibilidade – 360º
Altura total do monumento - 38m
Altura da estátua - 30m
Altura do pedestal - 8m
Altura da cabeça – 3,75m
Comprimento da mão - 3,20m
Distância entre os extremos dos dedos – 28m
Peso da estátua – 1,145 toneladas
Peso da cabeça - 30 toneladas
Peso de cada mão - 8 toneladas
Peso de cada braço - 57 toneladas
Distância entre os extremos dos dedos – 30 m

Proteção catódica

Para garantir a melhor conservação da estátua, foi necessário buscar uma tecnologia utilizada na extração de petróleo e na construção de navios e levá-la para o monumento. Uma tela de titânio — doada pela empresa norte-americana Corrpro Inc. — revestiu todo o interior da estátua. Trata-se da proteção catódica, fundamental para a conservação do monumento, pois combate um poderoso inimigo: o sal.

A argamassa que forma o Cristo é uma eficiente mistura de areia, açúcar e óleo de baleia. Comum à época da sua construção, a composição carrega também um componente muito agressivo: o cloreto de sódio. Ao longo dos anos, o sal da argamassa estava oxidando a estrutura metálica que sustenta o concreto.

A proteção catódica entra em ação quando a tela é eletrificada. Ela ganha carga positiva e atrai as partículas de cloreto de sódio — isto é, o sal — que são negativas. Dessa forma, a estrutura metálica que sustenta a estátua fica livre da ação desse agente corrosivo, que passa a se alojar em torno da proteção catódica.

Recuperação do mosaico

A primeira fase do projeto permitiu uma nova e cuidadosa análise do monumento para procurar por problemas e falhas. A empresa Concrepoxi, que apoiou o projeto, foi a responsável pela tarefa. Ao todo, os técnicos recuperaram sete metros quadrados de superfície, divididos em vários pontos espalhados pelo corpo do Cristo Redentor. Um trabalho que exigiu sangue frio para enfrentar os andaimes e a altura. Mas para muitos funcionários da obra, como José Cícero Magalhães, que chama a estátua carinhosamente de “Santo”, essa foi uma tarefa inesquecível.

Tudo avaliado, foi preciso colocar um novo mosaico de pedra-sabão nas regiões que sofreram reparos. É possível perceber esse trabalho na alteração da cor em várias partes do corpo da estátua. A diferença se deve à tonalidade das novas pedras, que não possuem o mesmo verde original. Em se tratando de patrimônio histórico, essas são marcas da história e das ações de preservação do monumento.

Nova iluminação

Uma parceria entre a General Electric — que doou o equipamento ao Cristo Redentor — e a Rioluz — que desenvolveu o projeto de iluminação — deixou o monumento mais visível e bonito. A estátua ganhou lâmpadas multivapor metálico de 1000 watts. De última geração e com elevado índice de reprodução de cores, além de filtros que suprimem a radiação ultra-violeta, elas emitem uma luz branca que valoriza o tom esverdeado, original do Cristo Redentor.

O monumento também saiu ganhando durante o dia. As antigas estruturas que suportavam os 44 projetores deram lugar a outras, menores, com apenas 16. O novo sistema tem ainda uma outra vantagem, pois proporciona uma economia de 30% de energia elétrica. O projeto também definiu um outro local para a instalação do equipamento: fora do mirante e abaixo do nível do chão. O objetivo é destacar apenas a estátua e não interferir na visão do Cristo.

A nova iluminação também vem acompanhada de uma preocupação com o meio ambiente. Os projetores têm filtros anti-ultravioleta e anti-infravermelho para reduzir a emissão dessas faixas de radiação eletromagnética a níveis inferiores àqueles produzidos pelo antigo sistema. Cuidados como manter em duplicidade o conjunto de projetores também foram tomados. Assim, uma eventual queima de lâmpadas não interferirá no resultado final.

A falta de energia elétrica também não vai deixar o Cristo Redentor apagado. Para evitar qualquer imprevisto, o novo sistema é dotado de um gerador de 36 KVA, que aciona o conjunto de projetores em stand by e suporta um período de até 50 horas.

Fonte: www.copacabana.tur.br

Cristo Redentor

Corcovado

Cristo Redentor

Localizada no topo de uma montanha, a 710 metros de altura, a estátua do Cristo Redentor, no Corcovado, é, com certeza, um dos monumentos mais admirados e visitados da cidade.

Cristo Redentor

Um passeio que se inicia no bairro do Cosme Velho, a bordo de um simpático trenzinho que, até chegar ao Cristo, percorre cenários de rara beleza e forte encantamento visual.

Cristo Redentor

Já lá em cima, o que se vê é puro êxtase: Copacabana, Ipanema, Leblon, Jardim Botânico, o Jockey, a Lagoa, enfim, um Rio de Janeiro deslumbrante durante o dia, iluminado e mágico quando chega a noite.

Cristo Redentor

Sempre sob a proteção do Cristo que, do alto do Corcovado, abraça e abençoa todos aqueles que a cidade acolhe.

Fontes: www.copacabana.tur.br

http://www.portalsaofrancisco.com.br

Cotinua…….

14 de Setembro Aniversário de Presidente Prudente

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

PRESIDENTE PRUDENTE – SP

” A Capital do Oeste Paulista “
Aniversário – 14 de SETEMBRO ( 1917 )

Cidade de Presidente Prudente

BREVE HISTÓRIA DE PRESIDENTE PRUDENTE

O Município de Presidente Prudente foi fundado em 14 de setembro de 1917, pelo Coronel Francisco de Paula Goulart. Depois de locada a estação foi marcada uma divisa com separação entre a fazenda e a cidade. Este traçado, hoje, a Avenida Washington Luiz que ficou como base do arruamento futuro da nova Vila. Depois disto o Coronel Goulart deu ordem a seus homens para que, no dia seguinte iniciasse a derrubada da mata e fizesse uma roça de milho. Enquanto o Coronel Goulart colonizava a área localizada à esquerda da Estrada de Ferro, no sentido de quem vem de São Paulo, o Coronel José Soares Marcondes cuidava da colonização da área à direita desta estrada. Estes dois homens foram os responsáveis pelo desenvolvimento da região e pelo crescimento do que é atualmente Presidente Prudente.

Os trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana, hoje FEPASA, chegaram a 19 de janeiro de 1919. Com eles, grande número de pessoas para as colonizações e o problema de escolas para as crianças.

O município de Presidente Prudente foi criado pela Lei Estadual n.º 1.798/21 de 28 de novembro de 1.921, sendo instalado em 27 de agosto de 1.923. A comarca foi criada em 8 de dezembro de 1922 pela lei n.º 1.887/22, desmembrando-se de Assis e sendo instalada em 13 de março de 1.923. Na ocasião da criação do município, este tomou o nome da estação ferroviária, já batizada com o nome de Presidente Prudente, visto a importância relevante da estrada de ferro para o desenvolvimento do município e região.

A colonização da região foi feita inicialmente por migrantes vindos do sul de Minas Gerais, comandados por José Teodoro de Souza, mineiro de Pouso Alegre, atraídos pelas terras férteis do sudoeste Paulista e também porque o café era uma boa opção de trabalho no estado de São Paulo.

Com a expansão da Estrada de Ferro Sorocabana, uma importante forma de penetração e uma via de escoamento da produção cafeeira, a colonização tornou-se mais fácil e rápida. Ao longo da ferrovia multiplicaram-se os núcleos urbanos, dentre os quais Presidente Prudente cuja origem está ligada a dois coronéis, – os senhores Francisco de Paula Goulart e José Soares Marcondes.

O Aniversário de Presidente Prudente é comemorado em 14 de Setembro.

Fonte: PM PRESIDENTE PRUDENTE

http://www.nossosaopaulo.com.br/Reg_01/Reg01_PresidentePrudente.htm