Arquivo da Categoria ‘Dicas especiais’

Diferenças entre a poesia, o poema e o soneto

sábado, 28 de novembro de 2015

Considerei este artigo, esclarecedor e de fácil compreensão.

Certas diferenças são de fato uma tênue interpretação.

Veja então como é simples as diferenças entre Poesia, Soneto e Poema.

Você gosta de ler? Se a sua resposta for sim, você deve saber que a nossa Literatura brasileira é riquíssima, com seus escritores e escritoras que representam as nossas letras aqui e no resto do mundo também. Se você também é um apaixonado por leitura, certamente vai gostar de conhecer as diferenças entre a poesia, o poema e o soneto. Vamos lá?

Muitas pessoas confundem o poema com a poesia, assim como não conhecem as características de um soneto. Entender as diferenças é importante até para que você possa apreciar melhor a arte das palavras. Observe:

Poesia: é um conceito mais amplo do que o poema e o soneto. Muitas pessoas acham que a poesia é um gênero textual, mas, na verdade, ela não está necessariamente relacionada à palavra escrita. Um belo quadro, por exemplo, pode estar repleto de poesia, assim como uma escultura, um filme, uma música e até mesmo uma bela paisagem, como o nascer ou o pôr do sol. Portanto, a poesia é uma definição mais abrangente e contempla diversas manifestações artísticas e formas de expressão.

Woman with a Parasol, ou Mulher com guarda-sol, do pintor francês Claude Monet, um dos mais célebres pintores impressionistas do mundo
Woman with a Parasol
, ou Mulher com guarda-sol, do pintor francês Claude Monet, um dos mais célebres pintores impressionistas do mundo

Poema: é um gênero textual que utiliza as palavras como matéria-prima, organizando-as em versos, estrofes ou prosa, ou seja, apresenta uma estrutura que permite defini-lo como gênero. A palavra poema é derivada do verbo grego poein, que significa “fazer, criar, compor”. No Brasil existem vários e várias poetas, entre eles o poeta Mario Quintana, cujo poema abaixo é um belo exemplo desse gênero encantador!

Canção do dia de sempre

Tão bom viver dia a dia…
A vida assim, jamais cansa…

Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu…

E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência… esperança…

E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.

Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.

Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!

E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas…

Mario Quintana

Soneto: O soneto é um tipo de poema que possui forma fixa, ou seja, apresenta-se sempre com a mesma estrutura: quatro estrofes, sendo dois quartetos (quatro versos cada estrofe) e dois tercetos (três versos cada estrofe). Escrever um soneto é tarefa para os grandes poetas, mesmo porque, além da forma fixa, é preciso muito talento para construir todos os versos com dez sílabas poéticas, os chamados versos decassílabos. Leia abaixo o belo soneto de um de nossos maiores sonetistas brasileiros, o poetaVinicius de Moraes:

Soneto do Amor Total

Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade

Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinicius de Moraes


Por Luana Castro
Graduada em Letras

Fonte: http://escolakids.uol.com.br/diferencas-entre-a-poesia-o-poema-e-o-soneto.htm

Qual é a diferença entre ética e moral?

sábado, 28 de novembro de 2015

Gustavo Bernardo


Gustavo Bernardo é Doutor em Literatura Comparada, Professor Associado de Teoria da Literatura no Instituto de Letras da UERJ e pesquisador do CNPq. Publicou até hoje vários ensaios, entre eles A Educação pelo Argumento e O Livro da Metaficção, além de outros tantos romances, entre eles A filha do escritor e O gosto do apfelstrudel. Publicou, pela editora Rocco, o livro Conversas com um professor de literatura, contendo 50 crônicas publicadas nesta Revista Eletrônica do Vestibular da UERJ. Acaba de publicar, pela editora Annablume, o ensaio A ficção de Deus. Edita os sites www.gustavobernardo.com, sobre as suas obras, e www.flusserbrasil.com, sobre a obra do filósofo tcheco-brasileiro Vilém Flusser.

Qual é a diferença entre ética e moral?

Ano 4, n. 12, 2011

Podemos responder a esta pergunta com uma história árabe.

Um homem fugia de uma quadrilha de bandidos violentos quando encontrou, sentado na beira do caminho, o profeta Maomé. Ajoelhando-se à frente do profeta, o homem pediu ajuda: essa quadrilha quer o meu sangue, por favor, proteja-me!

O profeta manteve a calma e respondeu: continue a fugir bem à minha frente, eu me encarrego dos que o estão perseguindo.

Assim que o homem se afastou correndo, o profeta levantou-se e mudou de lugar, sentando-se na direção de outro ponto cardeal. Os sujeitos violentos chegaram e, sabendo que o profeta só podia dizer a verdade, descreveram o homem que perseguiam, perguntando-lhe se o tinha visto passar.

O profeta pensou por um momento e respondeu: falo em nome daquele que detém em sua mão a minha alma de carne: desde que estou sentado aqui, não vi passar ninguém.

Os perseguidores se conformaram e se lançaram por um outro caminho. O fugitivo teve a sua vida salva.

O leitor entendeu, não?

Não?

Explico.

A moral incorpora as regras que temos de seguir para vivermos em sociedade, regras estas determinadas pela própria sociedade. Quem segue as regras é uma pessoa moral; quem as desobedece, uma pessoa imoral.

A ética, por sua vez, é a parte da filosofia que estuda a moral, isto é, que reflete sobre as regras morais. A reflexão ética pode inclusive contestar as regras morais vigentes, entendendo-as, por exemplo, ultrapassadas.

Se o profeta fosse apenas um moralista, seguindo as regras sem pensar sobre elas, sem avaliar as consequências da sua aplicação irrefletida, ele não poderia ajudar o homem que fugia dos bandidos, a menos que arriscasse a própria vida. Ele teria de dizer a verdade, mesmo que a verdade tivesse como consequência a morte de uma pessoa inocente.

Se avaliarmos a ação e as palavras do profeta com absoluto rigor moral, temos de condená-lo como imoral, porque em termos absolutos ele mentiu. Os bandidos não podiam saber que ele havia mudado de lugar e, na verdade, só queriam saber se ele tinha visto alguém, e não se ele tinha visto alguém “desde que estava sentado ali”.

Se avaliarmos a ação e as palavras do profeta, no entanto, nos termos da ética filosófica, precisamos reconhecer que ele teve um comportamento ético, encontrando uma alternativa esperta para cumprir a regra moral de dizer sempre a verdade e, ao mesmo tempo, ajudar o fugitivo. Ele não respondeu exatamente ao que os bandidos perguntavam, mas ainda assim disse rigorosamente a verdade. Os bandidos é que não foram inteligentes o suficiente, como de resto homens violentos normalmente não o são, para atinarem com a malandragem da frase do profeta e então elaborarem uma pergunta mais específica, do tipo: na última meia hora, sua santidade viu este homem passar, e para onde ele foi?

Logo, embora seja possível ser ético e moral ao mesmo tempo, como de certo modo o profeta o foi, ética e moral não são sinônimas. Também é perfeitamente possível ser ético e imoral ao mesmo tempo, quando desobedeço uma determinada regra moral porque, refletindo eticamente sobre ela, considero-a equivocada, ultrapassada ou simplesmente errada.

Um exemplo famoso é o de Rosa Parks, a costureira negra que, em 1955, na cidade de Montgomery, no Alabama, nos Estados Unidos, desobedeceu à regra existente de que a maioria dos lugares dos ônibus era reservada para pessoas brancas. Já com certa idade, farta daquela humilhação moralmente oficial, Rosa se recusou a levantar para um branco sentar. O motorista chamou a polícia, que prendeu a mulher e a multou em dez dólares. O acontecimento provocou um movimento nacional de boicote aos ônibus e foi a gota d’água de que precisava o jovem pastor Martin Luther King para liderar a luta pela igualdade dos direitos civis.

No ponto de vista dos brancos racistas, Rosa foi imoral, e eles estavam certos quanto a isso. Na verdade, a regra moral vigente é que estava errada, a moral é que era estúpida. A partir da sua reflexão ética a respeito, Rosa pôde deliberada e publicamente desobedecer àquela regra moral.

Entretanto, é comum confundir os termos ética e moral, como se fossem a mesma coisa. Muitas vezes se confunde ética com espírito de corpo, que tem tudo a ver com moral mas nada com ética. Um médico seguiria a “ética” da sua profissão se, por exemplo, não “dedurasse” um colega que cometesse um erro grave e assim matasse um paciente. Um soldado seguiria a “ética” da sua profissão se, por exemplo, não “dedurasse” um colega que torturasse o inimigo. Nesses casos, o tal do espírito de corpo tem nada a ver com ética e tudo a ver com cumplicidade no erro ou no crime.

Há que proceder eticamente, como o fez o profeta Maomé: não seguir as regras morais sem pensar, só porque são regras, e sim pensar sobre elas para encontrar a atitude e a palavra mais decentes, segundo o seu próprio julgamento.

Fonte: http://www.revista.vestibular.uerj.br/coluna/coluna.php?seq_coluna=68

Campanha contra os juros dos cartões de Crédito

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Os juros de cartões de crédito e cheques especiais passam de 400% ao ano no Brasil.

Isso significa que uma compra de R$ 1000,00 ao final de 12 meses passou para R$ 4000,00.

Isto quando o cliente paga a fatura de forma coerente. Se pagar o valor mínimo sugerido pela operadora, isto vira uma progressão geométrica, ou seja uma bola de neve quase que impagável.

A sugestão mais recomendada é os clientes boicotarem os cartões, não utilizá-los ou não parcelar seus pagamentos.

Se cobram tanto é porque a população paga.

É uma questão de mercado.

Estes juros são extrorsivos,  agiotagem, crime contra economia popular.

O governo e suas leis, nada fazem para coibir tal prática de estelionato legalizado, assim como os tributos famintos que são cobrados de seu povo.

Parem de usar estes cartões.

Troque estas dívidas com créditos pessoais, mesmo que também proibitivos, mas menores que os dos cartões de crédito.

Deixem de fazer uso de práticas que te levam a falência e enriquecimento de instituições que lucram com a angústia e fraqueza de povo brasileiro.

Não aos Juros Abusivo das administradoras de cartões de  crédito!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Banquinho para bolo de andar

domingo, 21 de junho de 2015

A Tabuleiros Rei, fabricante nacional de Tabuleiros e tábuas para bolo, lança no mercado o seu mais novo produto

O banquinho para bolos de andares

Produzidos em Polietileno de alta Densidade, matéria prima determinada pelo ministério da Saúde para produção e acondicionamento em produtos alimentícios.

Disponíveis em várias medidas, conforme a necessidade de seus clientes.

Visite a página no facebook

www.facebook.com/tabuleiros.rei

www.tabuleirosrei.com.br

Operação Lava Jato

domingo, 21 de junho de 2015

Esta é a operação, talvez não a maior.

Corrupção há em todas as empresas públicas.

Se este país quiser consertar toda esta bandalheira e desvio do capitar do contribuinte, vai ter que tirar todos os secretários, diretores, consultores e corpo fiscal dos três poderes e começar de novo.

Pois em todas as esferas a corrupção corre a vista e descaradamente.