Arquivo de setembro de 2011

Primavera-Verso e Prosa da Escritora Cecília Meireles

domingo, 4 de setembro de 2011

Primavera

Cecília Meireles

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.


Texto extraído do livro “Cecília Meireles – Obra em Prosa – Volume 1“, Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

fonte: http://www.releituras.com/cmeireles_primavera.asp

Conheça a Biografia de Cecília Meireles

http://www.releituras.com/cmeireles_bio.asp

Incentive a leitura, conheça autores brasileiros e internacionais.

Cultura não só um direito, também um dever do cidadão.

Dia da Revolução Farroupilha – 20 de Setembro

domingo, 4 de setembro de 2011

20 de Setembro – Revolução Farroupilha
O 20 de Setembro é a data máxima para os gaúchos. Neste dia celebram-se os ideais da Revolução Farroupilha, que tinha como objetivo propor melhores condições econômicas ao Rio Grande do Sul.

As Causas

O estado do Rio Grande do Sul vivia basicamente da pecuária extensiva e da produção de charque, que era vendido para outras regiões do País. No início do século XIX, a taxação sobre o charque gaúcho tornava o produto pouco competitivo, e logo o charque proveniente do Uruguai e da Argentina passou a abastecer esta demanda.

Alguns estancieiros, em sua maioria militares, propuseram ao Império Brasileiro novas alíquotas para seu produto, a fim de retomar o mercado perdido para os vizinhos do Prata. A resposta não foi nada satisfatória. Indignados com o descaso da Corte e cansados de ser usados como escudo em várias guerras na região, os gaúchos pegaram em armas contra o Império.

A guerra

Em 20 de Setembro de 1835, tropas lideradas por Bento Gonçalves marcharam para Porto Alegre, tomando a capital gaúcha e dando início à guerra. O governador Fernandes Braga fugiu para a cidade portuária de Rio Grande, que tornou-se a principal base do Império no estado.

Em 11 de Setembro de 1836, após alguns sucessos militares, Antônio de Souza Netto proclama a República Rio-Grandense, indicando Bento Gonçalves como presidente. O líder farrapo, no entanto, mal toma posse e, na Batalha da Ilha do Fanfa sofre uma grande derrota e é levado preso para o Rio de Janeiro, e logo em seguida para o Forte do Mar, em Salvador, de onde fugiria espetacularmente.

A revolução se estendeu por dez anos e teve altos e baixos para os dois lados. Um dos pontos altos foi a tomada de Laguna, em Santa Catarina com a ajuda do italiano Giuseppe Garibaldi, em 1839. Finalmente os farroupilhas tinham um porto de mar. Ali foi fundada a República Juliana (15 de julho de 1839).

Após dez anos de batalhas, com Bento Gonçalves já afastado da liderança e com as tropas já muito desgastadas, os farrapos aceitam negociar a paz.  Em fevereiro do 1845 é então selada a paz em Poncho Verde, conduzida pelo general Luís Alves de Lima e Silva. Muitas das reivindicações dos gaúchos foram atendidas e a paz voltou a reinar no Brasil.

A cultura

A Revolução Farroupilha é o mito fundante da cultura gaúcha. É a partir dela que se estabelece toda a identidade do povo gaúcho, com suas tradições e seus ideais de liberdade e igualdade. Hoje a cultura gaúcha é reverenciada não só no estado, mas no país e no mundo, através dos milhares de CTGs (Centro de Cultura Gaúcha) espalhadas por todos os cantos. E a cada 20 de Setembro, o gaúcho reafirma o orgulho de suas origens e o amor por sua terra.

Hino Rio-Grandense

Letra: Francisco Pinto da Fontoura
Música: Joaquim José de Mendanha
Harmonia: Antônio Corte Real

Como a aurora precursora

Do farol da divindade

Foi o Vinte de Setembro

O precursor da Liberdade

Mostremos valor, constância

Nesta ímpia e injusta guerra

Sirvam nossas façanhas

De modelo a toda a terra

Mas não basta pra ser livre

Ser forte, aguerrido e bravo

Povo que não tem virtude

Acaba por ser escravo

Mostremos valor, constância

Nesta ímpia e injusta guerra

Sirvam nossas façanhas

De modelo a toda a terra

fonte : http://lproweb.procempa.com.br

Dia da Amazônia – 5 de Setembro

domingo, 4 de setembro de 2011
05 de Setembro – Dia da Amazônia

Dia 5 de setembro é o dia da Amazônia — uma data que, há um bom tempo, não inspira comemorações. Ao contrário: a devastação crescente na região é a bandeira dos ambientalistas. Não é para menos. Um estudo do Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia e do Centro de Pesquisas Woods Hole, dos EUA, indica que a área devastada já é de 40 mil km2, o dobro do que foi divulgado no início deste ano pelo Instituto de Pesquisas Espaciais, o Inpe. O novo número baseia-se em estudos de campo, realizados por pesquisadores das duas entidades.

Fonte: http://galileu.globo.com/

As Maravilhas de Setembro

domingo, 4 de setembro de 2011
Setembro

Setembro era o sétimo do antigo calendário de 10 meses, que foi usado até 600 anos antes de Cristo. O mês de setembro é um dos mais alegres e bonitos do ano. Paradas militares, apresentações de bandas marciais e desfiles de escolas marcam a comemoração da Indepeneência do Brasil, no primeiro feriado do mês. Após os festejos cívicos, já se começa a observar a mudança do clima e a cidade ficando mais colorida. São os tons da primavera pincelando as flores e destacando os jacarandás, as acácias mimosas e os ipês roxos e amarelos.

Bonito de se ver é também o Acampamento Farroupilha do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho – o Parque da Harmonia -, com tantos gaúchos revivendo as tradições dos tempos de estância. Fogo de chão, cavalgadas, pelegos, fandangos e, claro, o velho e bom chimarrão. Relembrando a canção Sol de Primavera, na voz do mineiro Beto Guedes, “quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos, quero ver brotar o perdão onde a gente plantou (…)”

Feliz mês de realizações!

fonte: http://www2.portoalegre.rs.gov.br