Arquivo de junho de 2011

Kassab cede a pressão do “Controlar”

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Por motivos que não foram justificados, a empresa privada Controlar, contratada pela prefeitura de São Paulo, chegou a suspender temporariamente o agendamento das inspeções enquanto não houvesse o reajuste na Taxa de Inspeção.

Sem que o Sr. Kassab, pensasse no contribuinte, que é quem sustenta a prefeitura e seus agregados, claro, sem consulta prévea à população, concedeu aumento de 9,81 %, passando de R$ 56,44, para R$ 61,98, aumentando portanto a arrecadação só com este reajuste  para R$ 22 milhões de reais sendo repassados diretamente para a empresa privada.

Seria bom ser de conhecimento público a composição da diretoria desta empresa.

Mais uma vez o Kassab tira mais um pouco do cidadão paulistano, e ainda se vangloria deste projeto que não apresenta os resultados práticos sobre a redução da poluição, uma vez que cada dia o índice de poluição aumenta na capital paulista segundo os institutos ambientais.

A poluição na cidade de São Paulo no que se refere a veículos, é agravada por ônibus e caminhões, contratados pela administração municipal.

E mais, a grande parte dos camilhões que circulam dentro de São Paulo, vem de outros estados e cidades que não tem este sistema de Inspeção veicular.

Então Sr. Kassab, sejamos razoáveis, o povo está vendo e sentindo na pele estas suas medidas, e nas urnas, verás o resultado.

Sobre a ação contra o aumento, veja a matéria a seguir.

Aumento ilegal na Taxa de Inspeção Veicular

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Justiça suspende aumento da taxa da inspeção veicular

22/02/2011

O Tribunal de Justiça concedeu liminar ao mandado de segurança da Bancada do PT que pede a suspensão do reajuste da tarifa da inspeção veicular.

Em pronunciamento Donato explica a história do contrato da Controlar.

O desembargador Artur Marques, do Tribunal de Justiça de São Paulo, determinou hoje a suspensão do reajuste da taxa paga pelos motoristas do município de São Paulo para fazer a inspeção veicular. No início de janeiro a taxa subiu de R$ 56,44 para R$ 61,98 (aumento de 9,81%).

O desembargador concedeu liminar ao mandado de segurança impetrado pela Bancada de Vereadores do PT contra o reajuste. A medida judicial foi provocada pelo fato de o prefeito Gilberto Kassab ter autorizado o aumento da taxa antes da conclusão do estudo de reequilíbrio econômico-financeiro do contrato da Prefeitura de São Paulo com a Controlar, empresa concessionária responsável pelo serviço.

Kassab descumpriu cláusula do contrato que prevê que qualquer reajuste na taxa de inspeção será precedido de estudo que justifique o aumento. Na véspera do Natal o secretário do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge, assinou portaria mantendo em R$ 56,44 o valor da taxa até a conclusão da revisão do contrato com a Controlar. Mas Kassab – após manifestação de contrariedade da empresa, que chegou a suspender o agendamento da inspeção – ignorou a decisão do secretário e deu aval ao aumento antes da execução do estudo.

Apenas no dia 12 de fevereiro passado foi publicado no Diário Oficial Cidade de São Paulo extrato do contrato entre a secretaria e a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas para que esta proceda ao estudo de reequilíbrio econômico-financeiro do contrato da Controlar. Ou seja, o prefeito, primeiro, aumentou o custo da inspeção – onerando ainda mais o contribuinte paulistano – e só depois contratou o estudo para avaliar a necessidade ou não do aumento.

Estimando-se que 4 milhões de veículos devem passar pela inspeção, a diferença entre a arrecadação da taxa pelo valor antigo e com o reajuste significa mais de R$ 22 milhões de reais sendo repassados diretamente para a empresa privada.

“A argumentação (do mandado de segurança) é relevante e a decisão objurgada aparenta violação ao princípio da legalidade. (…) Concede-se a liminar para obstar que o reajuste do preço público seja aplicado antes da conclusão dos estudos concernentes ao reequilíbrio econômico-financeiro do contrato”, escreveu em seu despacho o desembargador Artur Marques.

Liderança do PT
Câmara Municipal de São Paulo

fonte: http://www.donatopt.com.brMais uma vez, a vergonha do Município de São Paulo, representado pelo Sr. Gilberto kassab

Alguns dos direitos dos Cidadões e Cidadãs

segunda-feira, 27 de junho de 2011

JUSTIÇA MANDA SUSPENDER TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA NO RIO
Autor: Claudio Nogueira

RIO – O Tribunal de Justiça do Rio concedeu liminar para suspensão da cobrança da taxa de iluminação pública na capital. A decisão do juiz Eduardo Antonio Klausner, da 7ª Vara da Fazenda Pública, será publicada no Diário Oficial de segunda-feira. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do TJ.
A ação que trata de abuso de poder e atos administrativos tem como ré a Câmara dos Vereadores do Rio e intima o prefeito Eduardo Paes a cumprir imediatamente a liminar.

De acordo com o portal Rio Transparente, da prefeitura, o município já arrecadou este ano R$ 28,8 milhões com a Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública (Cosip), cobrada nas contas da Light desde o ano passado. A previsão era de arrecadar até o fim do ano R$ 157,8 milhões.

CONHEÇA DIREITOS QUE VOCÊ, TALVEZ, NEM IMAGINA QUE TEM !

O brasileiro nunca esteve tão consciente de seus direitos, como indica o aumento no número de processos de consumidores lesados, pedidos de indenização contra o governo e ações movidas por vítimas de danos morais. O interesse pelo assunto é tamanho que o Guia dos Seus Direitos, do advogado Josué Rios, professor da PUC de São Paulo, virou sucesso editorial e acaba de ganhar uma nova edição, depois de vender 46 mil exemplares em quatro anos.

CASAMENTO E DIVÓRCIO
Quem não cumpre promessa de casamento está sujeito a arcar com os custos de uma indenização por perdas materiais e danos morais. Para isso, a parte abandonada precisa provar na Justiça as despesas que teve em função do prometido e convencer de que a quebra do compromisso a colocou em situação de humilhação social.

A mulher viúva não pode casar antes de completar dez meses da morte do marido. Para fugir a essa regra, ela terá de provar que deu à luz um filho nesse período ou apresentar exames médicos que atestem que está grávida do novo pretendente.

O casamento pode ser anulado quando um dos cônjuges se sentir enganado quanto a reputação, saúde ou algum aspecto ligado à conduta do parceiro capaz de tornar insuportável a convivência do casal. São exemplos disso a impotência sexual, o medo de sexo e homossexualismo.

Tudo o que a mulher comprar com o dinheiro de seu trabalho pertence somente a ela. São os chamados bens reservados e, em caso de desquite ou divórcio, não entram na partilha mesmo que a união seja em regime de comunhão universal de bens. O marido não tem a mesma vantagem.

Quem tem a guarda do filho pode mudar de cidade ou Estado sem a permissão do ex-companheiro.

Mudança de nome. Pais adotivos podem alterar completamente o nome do filho adotado. Quem é conhecido publicamente pelo apelido pode incorporar a alcunha ao nome. E quem tem nome esquisito, que volta e meia lhe causa transtornos, também pode mudá-lo a qualquer tempo.

DÍVIDAS E DINHEIRO

Quem empresta dinheiro a outra pessoa tem o direito de cobrar a dívida com juros. A correção, no entanto, não pode ser superior a 12% ao ano sob pena de originar crime de usura. A regra não vale para os bancos e financeiras.

A agiotagem e as operações realizadas para garantir esses empréstimos não têm validade legal. Assim, a pessoa que pega um empréstimo com um agiota e dá em garantia um carro ou imóvel pode pedir na Justiça a anulação do negócio e reaver o bem, como também a restituição de parte do dinheiro que pagou.

Cheque não é dinheiro, é um meio de pagamento. Por isso, nenhum comerciante é obrigado a aceitá-lo.

O consumidor tem direito à indenização quando um cheque pré-datado é depositado antes da data combinada e volta por falta de fundos. A prova de que a loja depositou antes é simples e pode ser feita comparando a data futura do cheque com a data do depósito.

CONSUMIDOR

Quem se arrepende de uma compra pode desistir e reaver o dinheiro caso o negócio tenha sido feito por internet, telefone, telemarketing, anúncio em revista ou um vendedor que passou em sua casa ou em seu trabalho. Mas é preciso reivindicar esse direito no prazo de sete dias a contar do recebimento do produto.

O prazo para reclamar na Justiça por defeitos em produtos duráveis (como móveis, automóveis e roupas) é de 90 dias a contar do momento em que o defeito se torna visível para o consumidor. Quando houver garantia da loja, esse tempo passa a contar a partir do término da garantia. No caso dos bens não-duráveis (como alimentos e viagens), o prazo cai para 30 dias.

Se você recebe em casa um produto que não solicitou acompanhado de um boleto para pagamento, tem o direito de ficar com a mercadoria sem pagar um tostão. Pelo Código de Defesa do Consumidor, produtos enviados sem solicitação prévia equivalem a amostras grátis.

Sem um orçamento prévio, ninguém é obrigado a pagar por um serviço que lhe tenha sido prestado, caso discorde dos valores cobrados depois da execução da tarefa. Para isso, porém, é preciso que o orçamento tenha sido solicitado pelo contratante e negado pelo contratado.

HERANÇA

É possível partilhar os bens em vida. Por doação, eles são entregues de imediato aos beneficiários. Quem faz um testamento pratica um ‘ato de última vontade’ e só depois de sua morte os bens podem ser entregues.

Quem tem ‘herdeiros necessários’ – descendentes e ascendentes – não pode dispor de mais de metade de seus bens a terceiros. É preciso reservar 50% deles para a partilha entre os herdeiros legais.

O filho que mata ou tenta matar o pai pode ser impedido de receber a herança. Para que isso ocorra, é necessário que um dos demais herdeiros entre na Justiça com um processo para alegar a indignidade do infrator, dentro de um prazo de até quatro anos a contar da agressão.

CRIME

Legítima defesa pressupõe uma reação humana instintiva. Por isso, tem de ser proporcional e espontânea. Quem se excede passa à condição de criminoso ao cometer o chamado excesso de legítima defesa.

Não há crime quando a pessoa age em estado de necessidade, mesmo que cometa uma infração. Assim, quem rouba remédio porque está com a mãe morrendo não pode ser processado criminalmente, embora tenha de arcar com os eventuais prejuízos causados.

Engana-se quem crê que achado não é roubado. Por mais absurdo que pareça, quem acha alguma coisa tem o dever de entregar o bem ao dono ou, caso isso não seja possível, procurar a polícia e depositar o achado nas mãos da autoridade de plantão. Do contrário, estará cometendo crime de ‘apropriação de coisa achada’, segundo o Código Penal.

Qualquer pessoa pode dar voz de prisão a outra que seja flagrada cometendo um crime, desde que não haja polícia por perto para fazer a prisão.

Quem rouba para comer não comete crime . É o chamado furto famélico, ou seja, a pessoa agiu movida pela necessidade de sobrevivência.

Não é preciso advogado ou formalidades para pedir habeas corpus a alguém que está preso ou sob ameaça. Basta relatar os fatos por escrito (pode ser de próprio punho) e entregar o papel a um juiz, que vai analisar o caso de imediato.

MORADIA

O inquilino pode cobrar do proprietário as benfeitorias no imóvel sempre que os reparos se relacionarem a segurança e estrutura. São as chamadas benfeitorias necessárias, que têm de ser pagas sempre pelo locador.

Qualquer condômino pode fechar a varanda ou o terraço de seu apartamento com vidro ou esquadrias de metal. Também é permitida a colocação de toldos nesses locais. Desde que o material usado seja transparente, a Justiça entende que tais obras não perturbam nem quebram a harmonia da fachada externa do edifício.

A permanência de animais em apartamentos é possível mesmo que o regulamento do prédio proíba. Os juízes entendem que animais de pequeno porte podem permanecer em companhia de seus donos. Argumentam que a interpretação correta das normas do condomínio deve ser no sentido de proibir animais que ameacem a segurança ou comprometam a higiene dos demais moradores.

PROPRIEDADE

Mesmo sem ter a propriedade de um imóvel é possível vendê-lo, desde que se tenha a posse e haja comprador. Posse é o domínio físico, que não inclui um documento comprovando a compra. Quem tem a propriedade possui o domínio registrado, ou seja, tem documento comprovando a transação.

O tempo pode tornar qualquer um dono de um bem. Isso é possível pelo usucapião, um instrumento legal que transforma o usuário em proprietário. Isso ocorre no prazo de cinco anos no caso dos imóveis rurais usados para sustentação da família, dez anos para imóveis na cidade e 20 anos quando a propriedade é invadida (’posse com má-fé’). Em todas as situações, é necessário contratar advogado e entrar na Justiça com processo.

O usucapião também vale para bens móveis, como veículos, eletrodomésticos e jóias, por exemplo. O prazo para entrar com processo varia de três a cinco anos (quando a posse é de má-fé). A medida não pode ser aplicada no caso de empréstimos.

TRÂNSITO

Quem bate atrás nem sempre paga o conserto. Se o motorista da frente parou repentinamente, sem motivo, e provocou uma colisão com o veículo que vem atrás, é ele quem deve arcar com os danos.

O pedestre é culpado por seu atropelamento quando surge repentinamente na pista ou a atravessa correndo.

INDENIZAÇÃO

Sempre que alguém sofre um prejuízo, econômico ou moral, por culpa de uma pessoa ou empresa, pode tentar cobrar uma indenização. Isso só é possível, porém, quando o problema foi causado por negligência, imperícia ou por não cumprimento do que havia sido combinado num contrato.

O laboratório fotográfico que danifica o filme de celebração de um casamento pode ser condenado a pagar indenização por danos morais aos noivos. A Justiça entende que cenas de casamento envolvem sentimentos, lembranças e emoções que nutrem a alma das pessoas. Sendo assim, elas constituem o chamado valor de afeição.

TRABALHO

Não há estabilidade ou garantia de emprego para a gestante quando ela é empregada doméstica. Nesse caso, a grávida poderá ser demitida pelo empregador, que terá de pagar os quatro meses de licença que a mulher receberia do INSS se estivesse trabalhando, mais os direitos previstos para demissão sem justa causa.

Usar o e-mail da empresa para enviar mensagens com conteúdo pornográfico é motivo para demissão por justa causa. A Justiça entende que uma empresa disponibiliza esse tipo de recurso para que o funcionário possa desempenhar suas funções e concede ao empregador o direito de rastrear as mensagens para evitar o vazamento de informações e prejuízos decorrentes do mau uso do instrumento.

Qualquer empregado pode ‘demitir’ o patrão quando ele exigir do funcionário práticas contra os bons costumes, ofendê-lo física ou moralmente, determinar a prática de serviços alheios ao contrato de trabalho, obrigá-lo a cumprir horas extras contra a vontade ou a realizar trabalho perigoso sem o devido equipamento de segurança. ‘Demitindo’ o empregador, o funcionário sai da empresa e recebe o mesmo que teria direito em caso de demissão sem justa causa, incluindo a multa de 40% sobre o FGTS.

Manter relação sexual no ambiente de trabalho dá demissão por justa causa, ainda que seja após o expediente. Basta alguém flagrar e testemunhar os fatos. A conduta sexual do empregado, mesmo que fora da empresa, se resultar em perturbação do ambiente de trabalho, também poderá dar justa causa.

Quando o superior hierárquico promete a um subordinado benefícios (ainda que de forma indireta) condicionados à relação sexual, abusando de seu poder de mando para chantagear, está caracterizado o assédio sexual. O galanteador estará sujeito à demissão por justa causa.

OUTROS

Os menores têm direito de contestar os critérios de avaliação escolar, mesmo sem manifestação expressa dos pais. Na prática, isso quer dizer que os professores são obrigados a fazer uma nova avaliação das provas dos alunos queixosos, ou pelo menos explicar o motivo da avaliação baixa e mostrar onde o aluno errou. A norma está no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Os idosos têm direito a atendimento judicial mais rápido. Desde o ano passado está em vigor uma lei federal que determina que os processos movidos por maiores de 65 anos devem passar à frente dos demais.

A IDADE E OS DIREITOS

12 anos é a idade mínima para o menor viajar sozinho, desde que autorizado pelo juizado.

14 anos é o limite para começar a trabalhar como menor aprendiz.

16 anos é a idade mínima para comprar e vender algo; assinar contratos, desde que assistido pelos pais ou representantes; abrir sozinho uma conta em banco; votar; trabalhar como empregado (com algumas restrições); fazer testamento; casar (no caso das mulheres) com autorização dos pais; ajuizar processos judiciais (com a assistência dos pais ou representantes).

18 anos é o mínimo para trabalhar como empregado sem restrições; dirigir; responder a processos criminais; poder ser emancipado; casar (no caso dos homens) com autorização dos pais ou representantes.

21 anos é a idade para adquirir a maioridade plena.

48 anos, para requerer aposentadoria proporcional, no caso das mulheres.

53 anos, para a aposentadoria proporcional, no caso dos homens.

60 anos, para que as mulheres se aposentem por idade.

65 anos, para os homens adquirirem direito a aposentadoria por idade.

67 anos, para requerer uma renda mensal (um salário) à assistência social do governo federal, quando for carente e sem outros meios de subsistência ou ajuda.

fonte: http://www.velhosamigos.com.br/index_nova.html

Creche Pública, obrigação dos municípios e dos estados

segunda-feira, 27 de junho de 2011

O Supremo Tribunal Federal, determinou que toda criança de até 5 anos tem direito de ser matriculada em uma Creche próxima de sua moradia e que hajam vagas em todos os bairros e regiões.

Problema velho, que toda mãe vem passando há muito tempo.

Os governos dizem que investem em milhares de vagas, mas elas não são suficientes, ou não existem.

O que será que está acontecendo?

Falta de interesse.

Governadores, Prefeitos e seus pupilos, deveriam, antes de serem eleitos, passarem por situações semelhantes para saberem do que se trata e quando estiverem no poder, terem vivenciado esta situação que não os sensibiliza.

O IPTU,o ISS e outros tributos, não esquecem de cobrar, reajustar, aumentar a estrutura de arrecadação, mas Creche, Médicos, Limpeza Pública, respeito ao contribuinte.

-Ah!, isto é para candidatos, já fui empossado.

A Corrupão na Política Brasileira

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Mesmo com denúncias, reportagens, escândalos, e tudo de discarado e trivial que fazem uma grande parte dos políticos , acessores, funcionários públicos, secretários e outros tantos, parece que não há como coibir esta liberdade que eles tem em desviar verbas públicas a benefícios próprios.

É de se envergonhar com toda esta  prática desde o império que ganha espaço cada dia maior nas atividades de uma grande parte de pessoas públicas, eleitas e ou impossadas por nós mesmos.

Secretários da adminstração pública são léderes nestas práticas de Roubo público.

Concorrências fraudadas, dirigidas, empresas falsas nas tomadas de preço, e um mundo que não não vemos de tramoias e corrupção ativa e passiva nas mais diversas áreas, municipais, estaduais e federais.

Como simples cidadões, digo brasileiros sem amparo legal, sem alternativas, estamos sendo lesados diariamente com tamanho desvio de verbas e recursos.

Eles tiram da Saúde, da Educação e de onde tiver dinheiro de nossos impostos.

Nos fazem de idiotas, pagando nossos impostos compulsórios, e nos atendem mal nas repartiçoes pública.

Nos insultam com a indiferença, com a prepotência e a hipocrisia de pregarem que trabalham para a população.

Faça sua denúncia, comente

Façamos uma corrente contra os desfalques contra a população.

Frase unânime das autoridades: Você sabe com quem está falando!