Arquivo de maio de 2011

Cartel dos Combustíveis

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Lamentável, ninguém tomar atitude de retaliação.

Abusivo é o aumento descontrolado dos combustíveis nas bombas dos postos de gasolina.

Já há quatro meses seguidos percebemos um aumento muito superior ao incide de inflação, e mais ainda, sem que o consumidor não tenha tido aumento salarial.

A Petrobrás, não aplicou nenhum aumento de preços, e é incompreensível esta elevação de preços nos últimos meses.

Fica evidente que há um “cartel”, para ser mais delicado, porque considero isso como Máfia dos combustíveis.

Além da baixa qualidade, dos aditivos acrescentados e adulterações de toda ordem, pagamos mais caro e enriquecemos os que nos enganam.

Mais impressionante ainda é o Governo, três meses após a estes abusivos aumentos, vem concluir, tardiamente que se trata de cartel. Ora e ainda o Ministro diz que vão punir severamente os infratores.

Dá vontade de ri, os políticos não conseguem nem se quer cuidar dos escândalos dentro de seus próprios gabinetes, quanto mais atender a um clamor popular.

Estes Burocratas deveriam punir, de forma a favorecer o consumidor, fazendo blitz energicamente, e contratando fiscais do povo e não os do governo ou agências reguladoras que se usam disto para benefícios próprios.

As multas aplicadas, quando isso eventualmente e muito remotamente chega a ocorrer, por causa dos fiscais corruptos são arrecadadas para o governo, o qual não reverte a nenhum benefício a nós consumidores.

Os preços têm diferenças de poucos centavos de um posto ao outro

É Máfia Carterizada seguramente.

Vamos nós, consumidores punir estes maus empresários protegidos por um governo incapaz de legislar para nós.

Vamos abastecer o mínimo necessário, pedir invariavelmente a nota fiscal e exigir o teste de combustível.

Vamos por estes mal empresários a pagar imposto, emitir a nota fiscal, quem sabe assim estes que se utilizam de combustível batizado, tenham que comprar também com nota.

De a sua opinião.

O que você acha disto tudo?

Luiz Sergio

13/05/2011

Tocantins – Palma, aniversário em 20 de maio

quinta-feira, 12 de maio de 2011

20 de Maio

A Criação de Palmas

De um descampado no meio do cerrado, surgiu Palmas – a última Capital planejada do século XX. Nasceu graças a determinação do governador José Wilson Siqueira Campos, seu criador e idealizador.

No dia 15 de janeiro de 1989, cinco dias após a instalação do primeiro governo tocantinense na capital provisória em Miracema do Tocantins (de 1º de Janeiro de 1989 a 31 de dezembro de 1989), o governador Siqueira Campos, acompanhado dos arquitetos Luiz Fernando Cruvinel e Walfredo Antunes e algumas autoridades, sobrevoou a extensa área de cerrado e escolheu a área de instalação da Capital do Estado, localizada aos pés da Serra do Carmo e a leste do povoado do Canela.

A construção de Palmas começou sob as bênçãos divinas, no dia 20 de maio de 1989, data do Lançamento da Pedra Fundamental. Uma multidão esperançosa de 10 mil pessoas assistiu, na Praça dos Girassóis, a primeira missa celebrada por D. Celso Pereira, bispo de Porto Nacional. No mesmo dia, o governador Siqueira Campos acionou o trator, abrindo a Teothônio Segurado, primeira avenida da cidade.

A criação da Capital só foi possível com a transferência da sede do município de Taquaruçu, seu prefeito e vereadores para Palmas. Assim, em 1º de janeiro de 1990, aconteceu a transferência oficial do Governo para a nova Capital e a posse do prefeito Fenelon Barbosa, e de nove vereadores, que assumiram o Governo Municipal. Outros importantes eventos marcaram a história de Palmas.

A capital do Tocantins vem valorizando sua arte e cultura. Prova disso é o Espaço Cultural de Palmas, que abriga o Theatro Fernanda Montenegro, a Sala Sinhozinho, a Biblioteca Jaime Câmara, o Centro de Criatividade, a Grande Praça e a Secretaria Municipal de Cultura propiciando o acesso da população aos bens culturais.

Palmas incentiva também o respeito a sua história, contada pelo povo e por seus monumentos: o Palácio Araguaia, a Praça dos Girassóis, o Palacinho, o Cruzeiro, o Monumento à Lua, a Casa Suçuapara, a Capela de Santa Rita de Cássia, a Assembléia Legislativa, o Barracão de Palha do Canela e o Memorial Coluna Prestes são alguns exemplos.

Palmas está pronta para os novos tempos. Tempos de mercado competitivo, do predomínio do conhecimento e da busca da qualidade. A cidade já tem os elementos essenciais para o sucesso, pois está à frente de seu tempo, captando recursos e acompanhando as tendências do limiar do terceiro milênio.

Palmas soube muito bem conciliar concreto e natureza. Mesmo transformando-se, diariamente, em pólo de desenvolvimento da Região Norte, a arquitetura da cidade emoldura-se com o Rio Tocantins e a Serra do Lajeado. Esses contrastes dão um toque singular na composição do cenário e, com população heterogênea, a Capital do Tocantins continua a atrair a curiosidade de todo o país.

Hoje observamos o crescimento ordenado de uma municipalidade que alia educação à cidadania, humaniza a saúde, oferece lazer e diversão, valoriza o trabalho, oportuniza a arte, investe na cultura e em ações esportivas. A Capital do Verde adquiriu o toque da magia e essa consciência social e ecológica reflete-se nas ruas tranqüilas e praças arborizadas de uma comunidade que vive em harmonia consigo mesma. Assim é Palmas.

Palmas

Símbolos de Palmas

A BANDEIRA

Bandeira de Palmas

Em campo branco, símbolo da paz, opõe-se um sol amarelo ouro sobre duas faixas estreitas e paralelas, em azul, dispostas horizontalmente e intercaladas eqüidistantemente a partir do lado inferior da bandeira.

As faixas azuis fazem alusão aos Rios Tocantins e Araguaia, de vital importância para o progresso e desenvolvimento do Estado e da Capital e o sol simboliza a sede do poder estadual, de onde emanam as grandes decisões do governo.

O BRASÃO

Brasão de Palmas

Em forma ovalada, sendo circundado por ramos de oliveira e entrelaçado nos cantos superior e inferior por guirlandas. Na guirlanda superior, em cor azul, vazada por letras em fundo branco, figura a frase símbolo do Estado do Tocantins, que no brasão municipal é escrita em português: “ESTA TERRA É NOSSA”, pelo fato de Palmas sediar a Capital do Estado.

O GIRASSOL

Símbolo turístico de Palmas, a imagem do girassol, que deverá ser utilizada isoladamente ou ao lado de outro símbolo oficial, visa a sua divulgação e propagação como um dos símbolos da cidade. A Administração Municipal utiliza o girassol nos impressos, nas correspondências, nos veículos, nas placas, nos prédios públicos e nos eventos oficiais dentro ou fora dos limites do Município.

O SELO

Criado ainda no ano da instalação do Governo Estadual em Palmas, o selo, com o desenho do girassol foi aprovado pela Câmara Municipal e sancionada pelo Chefe do Poder Executivo da Capital e, como os demais símbolos, passou a ser utilizado em ocasiões especiais.

Eventos marcantes da história de Palmas

21 de fevereiro de 1987 -Criação do Comitê Pró-criação do Tocantins.

05 de outubro de 1988 - Criação oficial do Estado do Tocantins, com a promulgação da Constituição Federal de 1988.

02 de janeiro de 1989 - Escolha da localização do Canela para sediar a Capital do Tocantins, no Governo Siqueira Campos.

28 de janeiro de 1989 - Definição do local em que seria construída Palmas, a Capital definitiva do Estado do Tocantins.

18 de maio de 1989 – O Cruzeiro foi erguido em frente ao Palácio Araguaia.

20 de maio de 1989 - Lançamento da Pedra Fundamental de Palmas. Na mesma data, Dom Celso Pereira de Almeida celebrou a Primeira Missa, na Praça dos Girassóis.

1º de junho de 1989 - Implantação da 1ª Legislatura da Câmara Municipal.

29 de dezembro de 1989 - Promulgação, pelo então prefeito de Taquaruçu, Fenelon Barbosa Sales, da lei de transferência da sede do município de Taquaruçu do Porto para Palmas.

1º de janeiro de 1990 - Instalação de Palmas, com a transferência dos Governos Estadual e Municipal para a nova Capital.

12 de dezembro de 1990 – Fundação da Academia Tocantinense de Letras.

28 de julho de 1992 – Tombamento do Palacinho, prédio que abrigou a sede provisória do Governo do Estado enquanto durou a construção do Palácio Araguaia.

1º de janeiro de 1993 - Posse de Eduardo Siqueira Campos, primeiro prefeito eleito da Capital do Tocantins.

21 de dezembro de 1995 - Criação da Casa de Cultura de Taquaruçu.

1º de janeiro de 1997 – Posse de Manoel Odir Rocha, como prefeito eleito de Palmas.

18 de agosto de 2001 - Lançamento do Pólo Ecoturístico de Taquaruçu.

Tocantins

Tocantins tornou-se Estado em 5 de outubro de 1988, tornando-se independente da região do antigo norte do Estado de Goiás.

O Estado está localizado na região Norte do Brasil e faz parte da Amazônia. Limita-se com os estados do Pará, Maranhão, Piauí, Bahia, Goiás e Mato Grosso. Possui uma área de 278.420,7 km2 , 139 municípios e uma população de 1.155.221 habitantes.

É um pólo para investimentos turísticos e conseqüente gerador de empregos. Graças a sua localização geográfica e recursos hídricos, está em excelentes condições de gerar energia hidrelétrica e se prepara para ser um grande exportador de energia.

Tocantins tem um subsolo rico em jazidas de calcário, gipsita, quartzo (cristal), ouro, turmalina, ametista, berilo, cianita, diamante, cobre, chumbo, zinco, cromos, pedras raras. A terra é própria para o cultivo de até duas safras por ano, além de viabilizar também a produção agropecuária.

Há seis grandes grupos indígenas no Tocantins – Karajá, Apinagé, Krahô, Xerente, Xambioá e Javaé.

Para que Tocantins se desenvolva cada vez mais, há também investimentos em programas de profissionalização e recursos para a educação indígena.

Palácio Araguaia

Palácio Araguaia

O Palácio Araguaia é a sede do Governo Estadual, centro do Plano Diretor e ocupa uma área útil de 14.000 m2, com quatro pavimentos, sendo um subsolo.

Monumento à Lua

Por ocasião do primeiro aniversário de Palmas, foi erguido, em mil novecentos e noventa e um, em frente ao Palácio Araguaia um monumento com três luas que estão em forma de quarto crescente, símbolo holístico que representa a fertilidade das terras tocantinenses. O autor do monumento foi o artista plástico André Katenas, residente em Goiânia, Goiás

Casa Suçuapara

A Fazenda Suçuapara, com a implantação do Município de Palmas, abrigou o primeiro governo administrativo municipal. Serviu, também, de sede para a Legião Brasileira de Assistência. Com a construção do Parque Cesamar, a casa ficou na área delimitada para aquele ponto de lazer, chamando a atenção de quem visita o local por ser em estilo rústico, passando a fazer parte da paisagem que integra o parque.

Palacinho

Palacinho

O Palacinho foi tombado pelo Governo do Estado pela Lei nº 431 de 28 de julho de 1992. Foi o primeiro prédio a ser construído no ano da instalação de Palmas, além de ter sido sede do poder executivo de 1989 a 1991. Nele foram tomadas importantes decisões para a consolidação de Palmas.

Sua construção foi feita em madeira de lei (jatobá), com o sistema de montagem pré-fabricado. Nele já funcionaram as Casas Civil e Militar e as Secretarias de Comunicação, Política, Particular e da Agricultura. Hoje, encontra-se vinculado à Secretaria de Estado da Cultura.

Cruzeiro

O Cruzeiro foi tombado, provisoriamente, pelo decreto nº 22, de 29 de fevereiro de 2000 e faz parte da história da criação de Palmas. Foi o primeiro monumento artístico e histórico erguido na capital, esculpido pelo artesão Arnildo Antunes, em pau-brasil e implantado em frente ao Palácio Araguaia, no dia 18 de maio de 1989.

Cruzeiro Tocantins

O Cruzeiro foi palco da primeira missa celebrada em Palmas, no Lançamento da Pedra Fundamental, em 20 de maio de 1989. É o principal marco da capital, onde são celebradas as missas campais em homenagem a Palmas e Tocantins.

Rio Tocantins

O rio Tocantins possui 2.500 km de extensão, se forma da junção do rio das Almas e do rio Maranhão, que têm suas cabeceiras no Planalto de Goiás, a mais de 1.000m de altitude. O principal afluente do rio Tocantins é o rio Araguaia, com 2.115 km de extensão, que nasce na Serra de Caiapó, na divisa de Goiás com Mato Grosso, a cerca de 850m de altitude e tem papel fundamental no processo de ocupação do território.

Fonte: www.campusvirtual.br

O Idioma Português

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Português, a língua oficial do Brasil

O idioma português chegou ao território brasileiro a bordo das naus portuguesas, no Século XVI, para se juntar à família lingüística tupi-guarani, em especial o Tupinambá, um dos dialetos Tupi. Os índios, subjugados ou aculturados, ensinaram o dialeto aos europeus que, mais tarde, passaram a se comunicar nessa “língua geral” – o Tupinambá. Em 1694, a língua geral reinava na então colônia portuguesa, com características de língua literária, pois os missionários traduziam peças sacras, orações e hinos, na catequese.

Com a chegada do idioma iorubá (Nigéria) e do quimbundo (Angola), por meio dos escravos trazidos da África, e com novos colonizadores, a Corte Portuguesa quis garantir uma maior presença política. Uma das primeiras medidas que adotou, então, foi obrigar o ensino da Língua Portuguesa aos índios.

Lei do diretório

Em seguida, o Marques de Pombal promulgou a Lei do Diretório (1757) que abrangia a área compreendida pelos estados do Pará e do Maranhão, um terço do território brasileiro de então. Esta lei considerava a língua geral uma “invenção verdadeiramente abominável e diabólica” e proibia às crianças, filhos de portugueses, e aos indígenas aprenderem outro idioma que não o português.

Em 1759, um alvará ampliou a Lei do Diretório: tornou obrigatório o uso da língua portuguesa como idioma oficial em todo o território nacional. Portanto, ao longo de dois séculos, o Brasil possuiu dois idiomas: a língua geral ou tupinambá e o português.

Português no mundo

Hoje, o mundo que fala português (lusófono) soma cerca de 200 milhões de pessoas. É o oitavo idioma mais falado no planeta e a terceira entre as línguas ocidentais, após o inglês e o castelhano. É, ainda, o idioma oficial de sete países, todos eles ex-colônias portuguesas: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

Com a admissão de Portugal na União Européia, o português passou a ser uma de suas línguas oficiais.

Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/brasil/idioma-do-brasil.php

Conheça as belezas do Espirito Santo

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Conheça o Espírito Santo

Referência em beleza natural e famoso pela culinária à base de peixes e frutos do mar, o Espírito Santo tem muito mais a oferecer ao seu visitante. Uma experiência que vai além das suas praias, não dispensa a boa moqueca capixaba nem o clima ameno de montanha – onde se degusta vinho, licores, biscoitos caseiros e massas, em propriedades de agroturismo.

A tudo isso, podemos acrescentar atrações das mais variadas, como a prática de esportes radicais – que inclui raffting, rapel e vôo livre -, festas religiosas como a tradicional Festa da Penha e o forró de Itaúnas, que, todos os anos, contam com uma legião de participantes.

O Patrimônio Histórico Cultural capixaba é outro roteiro a ser descoberto (ou explorado, vivenciado). Uma viagem entre o passado e o presente do Espírito Santo, preservados nos casarios de municípios como Muqui (Sul do Estado), São Mateus (Norte do Estado), Santa Leopoldina (região Centro-Serrana), e também no Convento da Penha (Vila Velha) e nas construções do Centro de Vitória.

Trilhas ecológicas, centros de estudos e pesquisas, como o Projeto Tamar e a Reserva Florestal da Vale, ajudam a compor o mosaico que é o Estado. Um cardápio turístico onde a gastronomia também é destaque. A moqueca, feita na panela de barro, é uma herança indígena hoje produzida artesanalmente pelas paneleiras de Goiabeiras. Já a Torta Capixaba, que tem mariscos, peixe e palmito entre os ingredientes, é o prato principal da culinária local na Semana Santa.

O atual momento econômico, somado à qualidade de vida que oferece, transformou o Espírito Santo numa alternativa para o turismo de negócios. Nos últimos anos, o crescimento industrial do Estado está acima da média nacional, o que chamou a atenção de empreendedores para o seu potencial, principalmente na área de petróleo e gás.

O Espírito Santo possui localização estratégica com uma área de 46.184 km² e 78 municípios. Está na região Sudeste e próximo das principais metrópoles do País. Isso o torna atração para turistas de lazer, negócios e eventos provenientes de São Paulo, Bahia e Minas Gerais.

São inúmeras as vantagens para se visitar o Espírito Santo. Possui fácil acesso rodoviário, estando ligado aos demais estados pela BR 101 e pela BR 262, que o interliga com o Centro-Oeste.

x Para receber o turista, conta com excelente infraestrutura, capaz de hospedagem de 11,4 mil pessoas na região metropolitana, em excelentes hotéis e rede de restaurantes.

O Estado é o sexto no País em turismo de eventos e negócios e esse setor aumenta a cada ano, tendo em vista o desenvolvimento crescente do Espírito Santo e por oferecer preços competitivos para a realização de eventos. Para isso, conta com espaços para a realização de eventos de pequeno, médio e grande porte no Centro de Convenções e no Parque de Exposições de Carapina.

Espírito Santo um ótimo lugar para viver e investir.

Venda Nova
Vôo livre, em Venda Nova

Moqueca Capixaba
A tradicional Moqueca Capixaba

Baía de Vitória
Complexo portuário da Baía de Vitória

Ticumbi
Ticumbi, Conceição da Barra

Rotas Turísticas

O turismo no Espírito Santo está organizado em rotas turísticas. Caminhos que levam o visitante para desfrutar as delícias do litoral, do turismo religioso, náutico, ecoturismo e do agroturismo. Os destinos são divididos em oito rotas, quatro delas com acesso pela capital Vitória, onde fica localizado o principal aeroporto do Estado.

A dinâmica econômica de Vitória possibilita o turismo de eventos e negócios, o turismo náutico e gastronômico, com seus inúmeros restaurantes, onde o prato mais pedido é a moqueca capixaba. Vitória é conhecida como Ilha do Mel e possui um arquipélago composto por 34 ilhas e por uma porção continental. Outra especificidade da capital capixaba são seus 891,8 hectares de manguezais.

Cozinha Capixaba

A tradição pesqueira e a herança da cultura indígena e negra influenciaram profundamente a culinária capixaba, tornando-a eclética, produto de muitas influências dos habitantes locais como portugueses, africanos e povos do norte da Europa. Com a vinda de imigrantes europeus novos pratos foram acrescentados à cozinha capixaba. Dos italianos, os que exerceram maior influência, temos o anholini, o tortei, a sopa pavese, o risoto e a polenta. Mineiros e baianos também trouxeram de suas terras pratos típicos, como o péla-égua (cangiquinha com costeleta de porco) e o vatapá.

Entre os pratos típicos mais famosos citam-se a torta capixaba e a moqueca, a muma de siri e a caranguejada. Famosa internacionalmente, a moqueca capixaba é o prato mais conhecido da culinária do Espírito Santo. O nome “moqueca” designa um estilo de preparar o alimento que consiste no cozimento sem água, apenas com os vegetais e frutos do mar e, ao contrário da moqueca baiana, a capixaba não recebe azeite de dendê e nem leite de coco.

Logo em seguida, vem a torta capixaba, preparada com vários frutos do mar, como siri desfiado, camarão, ostra e sururu, além de bacalhau e palmito. Prato tradicional durante a Semana Santa em todas as casas capixabas.

A técnica de catar o crustáceo é a mesma que já utilizavam os indígenas, fartos comedores de caranguejo – vai-se com lama até os joelhos e recolhe-se os caranguejos no tato e no jeito, para que os dedos não sejam aferroados pelas puãs.

O siri, crustáceo primo do caranguejo, é pescado com jereré ou puçá, ambos se parecem com rede de caçar borboletas, sendo o jereré ou puçá que leva a isca; a pesca sem isca é geralmente feita à noite, à luz de lampiões.

As Desfiadeiras de Siri da Ilha das Caieiras, assim como as Paneleiras de Goiabeiras, ocupam atividade artesanal de destaque na composição da cultura popular de Vitória.

Mas o maior tempero da culinária capixaba é a Panela de Barro.

Panelas de Barro

Panelas de Barro

A panela de barro é, sem dúvida, uma das maiores expressões da cultura popular do Espírito Santo. Desde a sua origem – nas tribos indígenas que habitaram o litoral do Estado – até os dias de hoje, a técnica de sua confecção e a estrutura social das artesãs pouco mudou. O trabalho artesanal das paneleiras sempre garantiu a sobrevivência econômica de seus familiares, como também de suas tradições. A região de Goiabeiras, ao norte da Ilha de Vitória, sempre foi o local tradicional da produção de panelas de barro. No início, o trabalho era de cunho familiar e as panelas eram feitas nos quintais das casas das paneleiras.

As panelas de barro constituem o principal elemento cultural na elaboração de pratos típicos da culinária capixaba. A moqueca capixaba, a moqueca de garoupa salgada com banana-da-terra e a torta capixaba têm de ser feitas em panela de barro, para serem autênticas. A produção é constante e todas as peças produzidas são vendidas aos turistas e à população da Grande Vitória.

fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/brasil/espirito-santo.php

Bruno & Marrone

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Nota Oficial: Esclarece ‘acidente’ com Bruno & Marrone

Foi divulgada essa manhã várias informações desencontradas sobre o acidente ocorrido na praia do Futuro em Fortaleza. De início disseram que o cantor Marrone teria sido a vítima, depois começaram a divulgar que seria o técnico de som e até mesmo integrantes da banda.A verdade dos fatos é a seguinte: Murilo Moura de 19 anos, funcionário da empresa Torau, responsável pela locação de equipamento de som para Bruno & Marrone e outras bandas foi vítima de afogamento na praia do Futuro em Fortaleza, essa manhã. Nós já avisamos a empresa onde ele trabalha, que prontamente, se colocou a disposição e está tomando as providências necessárias, junto às autoridades locais e à família do jovem. Queremos contar com o bom senso da imprensa em divulgar as informações corretas, pois temos mais de 40 pessoas viajando nessa turnê, todos com família. Uma notícia desse gravidade pode causar enormes transtornos e sofrimentos desnecessários, para pais, esposas e filhos dos profissionais que acompanham Bruno & Marrone.Aproveitamos para externar todo o sentimento, não só de Bruno &;;; Marrone, mas de toda equipe por essa fatalidade que vitimou um jovem de 18 anos, Murilo completaria 19 anos na próxima semana, dia 19/11.
Fonte: Agências e Assessoria de Imprensa de Bruno e Marrone
Postado por TonyD.Silva às 4:22:00 PM

fonte: http://tonyreporter.blogspot.com/2008/11/nota-oficial-esclarece-acidente-com.html