Arquivo de dezembro de 2010

Dia da Primeira Tipografia no Brasil

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

4 de Janeiro

Aprendemos com a nossa História que o ano de 1808 trouxe para o Brasil novos hábitos. Com a vinda de D. João VI e a família Real Portuguesa, houve grande mobilização na colônia para abrigar a corte portuguesa. O Rio de Janeiro, àquela época com um pouco mais de 50 mil habitantes, precisava abrigar os 15 mil que se transferiam e acabou sofrendo uma espécie de “europeização” para tornar-se a capital do império. Uma espécie de revolução cultural aconteceu.

É de 1808 o alvará que pôs em funcionamento o Banco do Brasil – é que a monarquia ia precisar movimentar recursos para se manter. Os portos brasileiros foram abertos, surgiu a Biblioteca Real (futura Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro), foram criadas a Escola de Ciências Artes e Ofícios (futura Escola Nacional de Belas Artes) e a Academia Militar, entre outras novidades.

Até 1808, fábricas eram proibidas na colônia. D. João assinou o alvará permitindo que fábricas pudessem funcionar. Foi então fundada, no Rio de Janeiro, a “Imprensa Régia”.

Nesse momento a informação começaria a circular, a princípio nas mãos da corte. Logo viria o primeiro jornal, “A Gazeta do Rio de Janeiro”, divulgando toda a informação oficial.

Oficialmente, essa é a data da instalação da primeira tipografia no Brasil.

Duas novidades de origem chinesa revolucionaram a história da impressão: o papel e a xilogravura (e também xilografia), a fase de impressão anterior à tipografia que consiste em imprimir imagens e textos por meio de pranchas de madeira gravadas em relevo. Seu emprego na Europa começou no século XV, com a ilustração de cartas de baralho e manuscritos de origem religiosa.

A tipografia veio logo a seguir, também usando o mesmo método de impressão em relevo. Enquanto na xilotipia, os caracteres ficam presos ao bloco de madeira (como num carimbo fixo), na tipografia as letras são soltas, podem ser trocadas e reutilizadas à vontade.

A tipografia foi rapidamente difundida, pois trouxe mais velocidade na reprodução. Ao acabarem com a fase de impressão de manuscritos, esses primeiros tipógrafos foram também os primeiros editores, pois encontraram elementos e soluções para facilitar a leitura como tamanhos de linhas, letras, paginação, que vieram a ser padronizados posteriormente.

fonte: http://www.ibge.gov.br

Dia Mundial da Confraternização Universal da Paz

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010


Toda nova era suscita nos homens expectativas e temores, mas sobretudo esperanças de virem a experimentar relações mais justas e fraternas. Ou seja, baseadas na partilha, na comunhão e em um espírito mais cooperativo.

Confraternização, aliás, é bem isso: é equilíbrio. É paz. As duas juntas – paz e confraternização – seguem paralelas e de mãos dadas com o amor universal.

Obviamente que guerras e disputas existiram, existem e certamente vão continuar existindo no mundo. Não é fácil a aceitação das diferenças, principalmente quando vêm acompanhadas de antigos e arraigados ódios.

Muitas nações ainda lutam entre si. Às vezes, que ironia, em nome de Deus, deuses ou deusas. Aquilo que deveria unir, um sentimento de obediência e respeito ao Criador e, portanto, às coisas criadas, acaba sendo motivo de desunião, de desamor, de não confraternização.

Importante, portanto, que no Dia Mundial da Confraternização Universal e da Paz a humanidade como um todo se veja, se enxergue como um único e absoluto caminho para a paz e cada homem, cada mulher, cada criança se esforce para assumir um compromisso com esse caminho.

Feliz Dia Mundial da Confraternização Universal!

fonte: http://www.ibge.gov.br

Aniversário de Rio Branco

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

28 de Dezembro

A mais populosa cidade do Acre (com mais da metade da população do Estado) foi fundada em 28 de dezembro de 1882 pelo cearense Neutel de Maia. A princípio o lugar recebeu o nome de Seringal Empresa e, em 1904, elevou-se à categoria de vila, ao tornar-se sede do departamento do Alto Acre.

Em 1909, seu nome foi mudado para Penapólis, em homenagem ao então presidente Afonso Pena, para zembroem 1912 receber definitivamente a denominação de Rio Branco, numa forma de homenagear o chanceler brasileiro Barão do Rio Branco.

Tornou-se município no ano de 1913 e em 1920, capital do território do Acre. Em 1962, é elevada à posição de capital do estado.

Cortada pelo rio Acre, que divide a cidade em duas partes – 1o e 2o distritos – Rio Branco é hoje o centro administrativo, econômico e cultural da região.

A cidade de Rio Branco completa nesta terça-feira, 28 de dezembro, 128 anos de fundação. A data será festejada com uma série de atividades desenvolvidas pela administração municipal. As ações realizadas buscam difundir os saberes e fazeres da cidade, despertando o sentimento de amor rio-branquense nos moradores.

Entre os eventos programados, consta a realização de corrida pedestre, GP de Ciclismo, catraiada, concurso de artes visuais, exposição histórica, entre outros. A programação se inicia às 7h30 e tem término programado para o início da noite.

“As comemorações do aniversário da capital acreana são focadas na história dessa cidade e deve ser contata contada por meio da música, pintura, exposição, esporte e lazer”, disse o prefeito Raimundo Angelim. “Participam das atividades diversas gerações que, embora diferentes entre si, são personagens dessa história”, complementou Angelim.

fonte: http://www.riobranco.ac.gov.br

Dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos

terça-feira, 7 de dezembro de 2010
10 de Dezembro – Dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos

Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

Este é o primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Proclamada em Paris, em 1948, o documento nasceu após anos de delicadas negociações entre os membros da Comissão dos Direitos Humanos das Nações Unidas (desde 1946, o principal foro internacional para a matéria) e da Assembléia Geral das Nações (então composta de 56 Estados).

Surgida em uma época conturbada de pós-guerra, a Declaração foi um importante passo na direção da paz e do entendimento entre os povos. Até hoje o documento é a base legal pra o Direito em quase todo o mundo, além de ter inspirado a Constituição de vários países desde seu lançamento.

Neste dia 10 de dezembro, a Declaração completa 57 anos, mas seu texto está cada vez mais atual. Nesta época em que os valores fundamentais como o direito à vida e à liberdade são constantemente violados, a Declaração Universal dos Direitos Humanos se mantém como uma ferramenta essencial para a construção de um mundo mais digno e feliz.

Leia a Declaração na íntegra:

fonte: http://www.onu-brasil.org.br/documentos_direitoshumanos.php

08 de Dezembro – Dia de N.Sra. da Imaculada Conceição

terça-feira, 7 de dezembro de 2010
08 de Dezembro – Dia de N.Sra. da Imaculada Conceição

A Imaculada Conceição é uma festa litúrgica da Igreja Católica celebrada em 8 de Dezembro. A afirmação da Imaculada Conceição de Maria pertence à fé cristã. É um dogma da Igreja que foi definido no século XIX, após longa história de reflexão e de amadurecimento.

Imaculada Conceição de Maria significa que a Virgem Maria foi preservada do pecado original desde o primeiro instante de sua existência. Nascendo, há dois mil anos, na zona da Palestina, Nossa Senhora teve como pais São Joaquim e Santa Ana.
A maternidade divina de Maria é base e origem de sua imaculada conceição. A razão de Maria ser preservada do pecado original reside em sua vocação: ser Mãe de Jesus Cristo, o Filho de Deus que assumiu nossa natureza humana.
Ainda que de maneira implícita, a Igreja encontrou na Bíblia os fundamentos desta doutrina. Em seu Evangelho, São Lucas diz que Maria é “cheia de graça” (Lc 1,28), significando que ela está plena do favor de Deus, da graça divina. Se está totalmente possuída por Deus, não há, em sua vida e coração, lugar para o pecado.

O dogma de Nossa Senhora foi proclamado pelo papa Pio IX, em 1854, resultado da devoção popular aliada a intervenções papais e infindáveis debates teológicos.

No Brasil existem cerca de 533 paróquias dedicadas à Virgem Imaculada. A primeira imagem chegou em uma das naus de Pedro Álvares Cabral. O culto à Imaculada Conceição no Brasil teve início na Bahia, quando Tomé de Souza chegou a Salvador trazendo uma escultura da santa. Ela foi protetora do nosso país no período colonial e foi proclamada Padroeira do Império Brasileiro por D.Pedro I. Já no despontar do século XX o título cedeu lugar a Nossa Senhora de Aparecida, que é uma antiga imagem da Imaculada Conceição encontrada nas águas do rio Paraíba do Sul

fonte: http://lproweb.procempa.com.br.